Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

quinta-feira, 5 de março de 2009

PROFESSOR ENQUANTO EDUCADOR

PROFESSOR ENQUANTO EDUCADOR

2.1 PERCEBE A RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO FAMILIAR E ENSINO


O professor está consciente de que faz parte de uma tradição de trabalho em que a educação, no contexto da família, e o ensino estão interrelacionados em diferentes aspectos. Compreende a natureza dessas relações e o contexto sociocultural que lhes deu origem. Esse contexto abrange também uma filosofia ou uma visão de mundo. Baseando-se nisso, é capaz de identificar a sua própria posição e de traduzi-la no seu trabalho cotidiano.


Espera-se do professor que:

• conheça os mais importantes movimentos na história da educação e na atualidade do ensino, bem como o modo pelo qual a educação e o ensino estão ligados entre si no contexto dessas correntes;
• compreenda como o seu trabalho cotidiano está ligado aos acontecimentos na sociedade, no que diz respeito a perspectivas culturais e filosóficas;
• possua um conceito de trabalho indicando como concretizar de modo coerente a educação e o ensino em suas ações cotidianas.


2.2 ASSUME RESPONSABILIDADE PEDAGÓGICA PELO QUE FAZ

Cada vez mais, o professor é chamado a justificar e a prestar contas sobre sua tarefa pedagógica. Exige-se que a educação aprofunde sua relação com temas atuais e com problemas. Isso envolve problemas e dilemas no domínio dos valores e normas. O professor deve manifestar seu ponto de vista sobre esses temas, com base numa visão de mundo específica.


Espera-se do professor que:

• extraia dos acontecimentos e fenômenos sociais temas atuais no domínio de valores e normas, inserindo-os em seus programas didáticos;
• defina em equipe e consultando os envolvidos como lidar com os pais, propiciando uma direção pedagógica clara e personificada;
• indique quais os limites da sua responsabilidade e onde começa ou continua a responsabilidade dos outros;
• esclareça e proteja o seu direito a uma identidade própria como membro ativo da sociedade.


2.3 CRIA UMA ATMOSFERA PEDAGÓGICA POSITIVA

A atitude e a habilidade do professor desempenham um papel importante na criação de uma atmosfera pedagógica onde todos os alunos possam sentir-se seguros e apreciados. A atmosfera favorável da sala de aula reflete atitudes positivas do professor, como mostrar-se aberto às necessidades dos alunos, possuir curiosidade intelectual, manifestar interesse e respeito pelos alunos.

O professor deve possuir também a habilidade de construir um bom convívio social entre alunos de diferentes origens socioculturais e monitorar as regras inerentes a essa tarefa.

Espera-se do professor que:

• seja capaz de levar em conta as necessidades e os desejos dos alunos;
• saiba criar uma relação de confiança com os alunos;
• mostre que tem expectativas positivas quanto ao comportamento dos alunos;
• esteja consciente das causas e conseqüências de preconceitos e estereótipos ligados a determinados papéis sociais;
• compreenda os processos de dinâmica de grupo;
• estimule o bom convívio entre os alunos;
• seja claro ao estabelecer regras e as formule com declarações positivas;
• saiba lidar com as relações interétnicas no grupo.


2.4 COMPREENDE AS DIFERENÇAS SOCIOCULTURAIS


O professor compreende as diferenças socioculturais entre alunos, levando-as em conta e utilizando-as de forma positiva; evita que se instaure uma atmosfera que leve ao isolamento ou segregação de certos grupos; estimula a solidariedade e a cooperação, com base em objetivos comuns e aptidões compartilhadas.

Espera-se do professor que:

• esteja consciente da posição social desfavorecida de indivíduos e grupos que fazem parte da vida cotidiana dos alunos, na cidade e no bairro;
• compreenda que papéis estereotipados ligados ao gênero podem prejudicar o desenvolvimento dos alunos;
• preocupe-se com a desvantagem na escola causada por origem e posição sociais desfavorecidas;
• estimule os alunos a compreender e a respeitar as diferenças que existem entre eles, reforçando essa compreensão e respeito;
• tome medidas para combater a discriminação na classe, na escola e, se possível, fora dela;
• dê ao ensino um caráter intercultural, utilizando, por exemplo, materiais e estratégias que contemplem a vida de outras culturas e grupos étnicos.


2.5 IDENTIFICA NECESSIDADES DE CUIDADOS SOCIOPEDAGÓGICOS ESPECIAIS

O professor está descobrindo que as diferenças culturais, materiais e ambientais entre os alunos manifestam-se cada vez mais claramente na escola. Espera-se que ele antecipe da melhor maneira possível as conseqüências disso, que identifique abordagens pedagógicas que têm chance de não funcionar com alguns alunos e saiba como e quando apelar para instâncias de acompanhamento e apoio complementar.


Espera-se do professor que:

• conheça em linhas gerais as diferenças do passado dos alunos no seu grupo;
• tenha alguns conhecimentos sobre as causas, manifestações e conseqüências de problemas sociopedagógicos, tais como maus-tratos, negligência e incesto, bem como sinais que indicam semelhantes problemas para alguns alunos;
• tenha algum conhecimento sobre a organização e o funcionamento das instâncias de apoio destinados à juventude. 


2.6 ESTIMULA O TRABALHO INDEPENDENTE


O professor oferece aos alunos a oportunidade de trabalhar de forma independente, executando tarefas sem a sua supervisão direta. O trabalho independente tem como objetivo apoiar os alunos a assumir a responsabilidade pelo planejamento das suas próprias atividades. Para que os alunos possam se beneficiar ao máximo, é necessário desenvolver sistematicamente essa estratégia, que pode ser utilizada desde as séries iniciais.


Espera-se do professor que:


• reconheça que existem diferentes níveis de independência;
• ensine os alunos a trabalhar independentemente;
• enfatize as aptidões relativas à aquisição independente de conhecimentos; à independência na coleta, no processamento e na apresentação de informações, bem como as aptidões relativas ao comportamento social e às interações;
• ofereça aos alunos procedimentos e regras que os orientem, descrevendo o que se espera deles, como devem continuar o trabalho e como devem usar o tempo de forma responsável;
• estimule a cooperação entre os alunos e o trabalho em equipe;
• monitore o trabalho independente, registre os progressos e verifique se os trabalhos planejados foram realizados.


2.7 INCENTIVA A COOPERAÇÃO ENTRE OS ALUNOS

O professor supervisiona os alunos na aquisição das habilidades sociais de que necessitam agora e no futuro, para interagir na comunidade onde vivem, trabalham e passam seu tempo livre. Uma aptidão social importante é saber cooperar com diferentes pessoas. Essa habilidade não se desenvolve automaticamente.

O professor enfatiza o ensino e a aplicação de estratégias de cooperação entre os alunos. O ponto de partida é reconhecer que os estudantes aprendem não apenas com o professor, mas também uns com os outros.


Espera-se do professor que:

• considere importante que os alunos aprendam uns com os outros;
• crie situações que provoquem e estimulem a cooperação, proporcionando experiências que envolvam interação direta, dependência mútua e responsabilidade individual;
• organize o processo de aprendizagem no grupo, de modo que a cooperação entre os alunos se realize sem perda de tempo e sem perturbações;
• enfatize a aprendizagem e o exercício das aptidões indispensáveis à cooperação, como a habilidade de escutar, falar e ajudar-se mutuamente;
• observe e supervisione os alunos que cooperam entre si e avalie com eles o processo de cooperação.
Fonte
Este texto foi reproduzido da publicação “Pequenos Passos Rumo ao Êxito para Todos” da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo 

Nenhum comentário: