Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Vida escolar


Nem sempre estudar horas a fio é suficiente para 
reverter as notas vermelhas. Além de dedicação, 
o aluno precisa desenvolver um método de estudo
adequado. O apoio dos pais também é fundamental.

Qual o segredo para que um estudante melhore seu rendimento escolar? O drama da nota vermelha numa matéria ou o fiasco generalizado, daqueles de fazer o aluno esconder o boletim dos pais, podem ter várias explicações. A mais comum – faltou estudar mais – é relativamente simples de reverter. Basta um pouco mais de seriedade e dedicação para que os resultados apareçam. A questão é mais complexa quando o aluno passa horas debruçado sobre os livros e, mesmo assim, não consegue melhorar suas notas. Uma dica sugerida pelos que já deram a volta por cima é reavaliar o método de estudo. Henrique Copelli Zambon, de 16 anos, viu aumentar suas médias depois que se engajou na construção de um carro movido a energia solar. Com o trabalho escolar, ele passou a adotar nas outras disciplinas a mesma estratégia usada em física. Hoje, Zambon concentra-se ao máximo na hora de estudar, não leva mais dúvidas para casa e evita decorar a matéria.

Foi-se o tempo em que os jovens encaravam os estudos com desinteresse, como se fossem apenas mais uma imposição dos pais. Levantamento com 2 098 adolescentes de sete capitais indicou que, para 95% dos entrevistados, estudar é a coisa mais importante da vida deles. A pesquisa mostrou ainda que a maioria é crítica em relação à qualidade de ensino, o que demonstra a determinação da nova geração de estudantes. Mesmo assim, há várias armadilhas no caminho da formação escolar – como as notas baixas.

Elas costumam surgir com maior freqüência na puberdade, quando o jovem passa por modificações significativas, como a transformação do corpo, o aumento do interesse pelo sexo oposto e a construção da identidade. O adolescente não entende por que tem de estudar tanto se existem coisas mais interessantes a sua volta. A participação dos pais pode ser decisiva nesse momento crucial do jovem. Cabe a eles manter um ambiente em casa que valorize o conhecimento e permita ao estudante estabelecer ligação entre os conteúdos aprendidos na escola e o mundo real. Tudo isso ajuda a despertar a curiosidade e o prazer de aprender. O bom desempenho dos alunos depende mais de motivação que de sua capacidade intelectual ou da qualidade da escola. Ou seja, basta um empurrão. 

Dez dicas para melhorar nos estudos
 

1. Participe da aula, preste atenção, tome nota e não tenha vergonha de fazer perguntas.

2. Monte um plano de estudo, prevendo o que vai estudar ao longo da semana.

3. Faça as lições de casa no dia e deixe um tempo para revisar o que aprendeu na aula.

4. Estude no horário em que está mais atento e disposto. Não deixe para as horas em que tem sono ou está cansado.

5. Descubra qual técnica de memorização funciona para você: falar em voz alta, fazer resumos, montar esquemas, exercícios, dramatização ou estudar em grupo.

6. Procure outras referências sobre o assunto que está aprendendo para ampliar seus conhecimentos, como livros, revistas e filmes.

7. Aproxime-se de um professor, pesquisador ou profissional que domine o assunto de seu interesse.

8. Tenha o hábito de refazer os exercícios que errou nas provas e entenda por que errou.

9. Prepare na véspera a mochila da escola. Verifique os cadernos e livros de que vai precisar e se todas as lições estão feitas.

10. Reconheça seus pontos fortes e fracos, as áreas em que tem mais habilidade.

 

Como os pais podem ajudar
 

• Envolvendo-se na vida escolar do filho. Pergunte o que ele aprendeu e como isso pode ser importante na vida dele.

• Dê o exemplo. Leia livros, jornais, ouça música, veja filmes e espetáculos de qualidade.

• Mostre a seu filho que ele é capaz de solucionar problemas, em lugar de resolver por ele.

• Não pressione. Pai fiscal não funciona.

• Fique atento às datas de provas. Leve-as em conta na hora de programar viagens e atividades familiares.

• Seja tolerante com erros. Tente fazer com que seu filho aprenda com eles.

• Tire proveito do vínculo de seu filho com os amigos. Convide-os para assistir a um filme ou a um show que possa ser relacionado aos assuntos escolares.

• Antes de recorrer a aulas de reforço escolar, veja se o jovem é capaz de superar a deficiência sozinho.




Revista veja Jovem : Edicção especial

3 comentários:

Antonio Regly disse...

Xênia,
Minhas duas filhas estão na universidade e, mesmo sendo donas do próprio nariz, têm problemas com algumas disciplinas. Com elas dou algumas dicas e deixo a decisão com elas. As duas são do tipo que gosta de "bater de frente", bem diferente de mim que, quando não ia bem com alguma disciplina, buscava me aproximar o máximo do professor para conquistá-lo e buscar uma ajudinha a mais.
Com o neto pré-adolescente (não está sob minha guarda e sim dos pais) procuro perguntar como está nos estudos e incentivá-lo a melhorar sempre, mas sem cobrar nem incentivá-lo às notas mais altas. Apenas buscar aprender mesmo e fazer um bom curso.
Acho que o discurso de "se não estudar não vai conseguir um bom emprego" já não funciona muito. Mas bato na tecla de que está cada vez mais difícil o mercado de trabalho e, se quiser concretizar seus projetos, tem sim que estudar muito e aproveitar as oportunidades.
Matéria muito oportuna. Abraço.

Luciano Schüler disse...

Ótima postagem!
Abraços!

Xênia da Matta disse...

Valeu pela participação de vocês, obrigada! Bjux e sucesso sempre!