Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Crack, nem pensar...



O problema entre jovens e as drogas, não é um privilégio de nossos dias, muitos poderão me dizer que isso acontece há muito tempo e que sempre são os mesmos debates e discussões.
Acontece que agora estamos vivendo um momento de muita tensão, principalmente para nós pais e educadores: o crack está invadindo os vários seguimentos sociais e vem destruindo tudo pela frente, principalmente as famílias e as escolas.

Veja abaixo algumas informações sobre a droga, retirado do site www.pautaantidrogas.com.br:

"Altamente viciante e com preços acessíveis as camadas sociais com baixo poder aquisitivo, o "crack", tem feito um estrago muito grande nas famílias que vêem seus jovens perdendo o rumo na vida, matando e morrendo com uma velocidade assutadora.

Conheça a história do "crack".

01. Chegou ao mercado brasileiro pelos idos de 1988, e duas teorias informam que: o mercado norte-americano ficou saturado de cocaína. Seu preço era elevado, cerca de US$30,00 a US$50,00 o grama e a saída pouca.

02. Criaram uma forma de usar a cocaína, cujo preço seria bem mais barato: US$5,00 a US$10,00 e acabou recebendo o nome de "Crack", droga essa, mais barata, com consumo certo pelas classes desprovidas de recursos financeiros.

03. Outra teoria nos diz que a criação deve-se à forma de fabrico de uma qualidade de cocaína sem o devido refino, visto que, para tal, precisa-se de éter, acetona, glicerina, permanganato de potássio, cujo refino, além de caro, exigiu severa vigilância quanto às substâncias a ele necessárias. Como suas substâncias são voláteis e têm odores fortes, são, portanto, facilmente detectadas pela polícia em áreas de refino.

O QUE É "CRACK"?

01. O crack é uma mistura de pasta básica de cocaína, isto é, cocaína não refinada, em forma de pasta, a que se adiciona bicarbonato de sódio, visto que, com essa mistura, petrifica-se e pode ser queimada com brasas ou lume (Fósforo, Isqueiro, etc...) e inalada numa "marica" (cachimbo artesanal). Foi grande a expansão de seu consumo, visto que não é necessária nenhuma parafernália (seringas, diluentes, injetar, etc...) para seu consumo - basta fumar.

02. O "Crack" recebeu esse nome, devido ao fato de quando "queima", estala fazendo "crack...crack...crack...". O certo é que essa droga atingiu, nos dias de hoje, todas as camadas sociais e transformou-se numa grande epidemia junto à juventude.

03. A absorção do "Crack" é feita por via pulmonar e em apenas quinze segundos, atinge os neurônios. Seu índice de absorção é de 100% via pulmonar, de fácil aquisição e barato. Está intimamente ligado a todos os tipos de criminalidade e seus usuários têm idade média de 10 a 30 anos.

04. O "Crack" faz parte das últimas desgraças que se abateram sobre a humanidade; AIDS e "CRACK", ambas vieram para ficar, a menos que nos unamos, todos, para evitar que continuem a alastrar-se."

O pior do crack é que ele não está atingindo só os jovens, mas, também os seus pais, sejam como usuários ou seja como vitimas da degradação que o crack provoca nas famílias. Existem relatos chocantes coletados pela midia em geral, em alguns deles podemos sentir o grande desespero dos pais que perdem seus filhos gradativamente dia a dia para a droga e para o crime. 

Um fato muito relevante relativo a essa droga que ela não escolhe classe social para jogar o usuário na marginalidade uma vez que a fissura para fumar novas pedras leva sempre o usuário a praticar delitos como furtos e prostituição. 

Um inferno na Terra -  artigo do Jornal Zero Hora - 

Toda vez que um viciado em crack acende seu cachimbo assina uma nova sentença de morte. Com o poder de escravizar às primeiras tragadas, a pedra à base de cocaína arrasta o usuário à sarjeta em pouquíssimo tempo. A droga, que avança como uma praga pelo território  nacional , faz mais vítimas do que qualquer outra porque afunda o dependente numa degradação física e psicológica que o empurra ao crime para saciar o vício devastador. 

— É comum encontrar todo tipo de material nos pontos de tráfico. Qualquer coisa serve como moeda de troca – revela o tenente-coronel Júlio César Marobin, comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM), de Caxias. 

— Num Natal, meu filho conseguiu trocar por crack até o peru da nossa ceia. Toda noite eu tinha que colocar o botijão de gás no meu quarto senão meu filho vendia por pedra – conta a caxiense Everly de Jesus Rodrigues, 45 anos, mãe de um garoto de 18 anos morto a tiros em consequência do vício, mês passado. 

O drama que o crack leva para dentro das famílias não aparece nas estatísticas policiais, mas é gravíssimo. Nos últimos tempos, casos de mães que acorrentam seus filhos na tentativa de conter o vício têm aparecido com frequência na imprensa. Entretanto, a maioria das famílias silencia, por medo ou vergonha, enquanto dinheiro e objetos são levados de casa. 
 O usuário não se penaliza com barbaridades que comete, com parentes ou desconhecidos, porque o crack anestesia o afeto. 
O crack não degrada apenas os usuários, atinge com fúria também familiares, que viram codependentes do vício. Da mesma maneira que relações problemáticas em casa podem motivar um refúgio nas drogas, famílias bem constituídas, que se imaginavam distantes dessa realidade, estão sujeitas aos flagelos da droga. 

Sob o domínio do crack, muitos viciados arrastam seus dramas para dentro de casa e acabam levando familiares a uma codependência emocional. Sentindo-se culpados, pais, mães e irmãos passam a aceitar ações violentas e a viver em permanente alerta, condicionando seu estado de espírito ao do usuário da droga. O superenvolvimento com a dependência mascara a visualização de soluções e, não raro, parentes se sujeitam a atos extremos, como acertar dívidas com traficantes, por medo da morte.

– Eu adoeci mais do que o meu filho. Fiquei completamente fora de controle, só gritava com todo mundo. Pegava meu carro, ia atrás dele de madrugada, brigava com traficantes. Cometi muita loucura – admite a caxiense Marcela (nome fictício), 37 anos, mãe de um jovem de 17 anos que começou a usar crack aos 13.

Como o vício se instala rápido, as famílias não têm tempo nem forças para digerir o problema e passam a agir por impulso, diz Maria Virgínia Agustini, coordenadora da política de saúde mental da Secretaria Municipal da Saúde de Caxias. Aceitar a situação é o primeiro desafio.

– Foi uma luta muito grande eu enxergar o problema. Podia acontecer com todo mundo, menos com a gente. Hoje vejo que meu filho pode ter buscado a droga porque eu não dei atenção nem limites dentro de casa – conclui Marcela.

A história dessa mãe exemplifica bem o drama vivenciado por muitas famílias de classe média e aparentemente bem estruturadas e imunes ao crack. No início dos anos 1990, quando o consumo explodiu, era um vício exclusivo de pobres e moradores de rua. Nos últimos tempos, entretanto, a pedra tem subido degraus na escala social e espalhado seus sinais devastadores por toda parte. Católica praticante, Marcela é casada, tem uma renda estável e os três filhos estudam em escola particular.

– Tínhamos uma vida tranquila e, de repente, traficantes chegavam na minha casa armados para cobrar dívidas do meu filho. Por medo, e também vergonha dos vizinhos, eu pagava. Dizia que não haveria próxima vez, mas sempre tinha – conta.

Ana (nome fictício), 65, é outra mãe de classe média que passou por uma situação semelhante. Há 18 anos ela luta contra o vício do filho, de 33.

– Estive duas vezes em bocas (pontos de tráfico) para pagar débitos do meu filho, com medo de que fosse morto. Acho que meu erro foi não impor regras, acreditar demais nas melhoras dele de 24 horas – reconhece.

Marcela, o marido e os dois filhos menores vivenciaram o mundo do crack por três anos. A mãe bancava pelo menos R$ 2 mil por mês para que o filho mantivesse o vício sem precisar recorrer ao crime nas crises de abstinência. Mas, a certa altura, esse valor já não custeava as necessidades dele e o filho começou a prestar serviços a um traficante.

– A maior parte do dinheiro que eu precisava, conseguia em rolos com droga, vendendo, ajudando a fazer. Virava a noite vendendo e usando, só parava quando o corpo já não aguentava – conta o rapaz.

Ano passado, o jovem foi internado em uma fazenda terapêutica e, apesar das diversas tentativas de fuga, concluiu o tratamento há três meses. Agora o medo são as recaídas, já que os pontos de venda de crack continuam lá, pertinho de casa. Já o filho de Ana iniciou recentemente o oitavo tratamento em fazenda.

– Pra mim, um dia de paz já é muita coisa. Só consigo ficar tranquila quando ele está internado – conta Ana.

Nas clínicas e fazendas, quando um usuário é internado, a família é convocada a participar de grupos de terapia. Pais, mães, irmãos são tratados como pacientes.

– Quando chegam para tratamento, os dependentes químicos estão altamente desestruturados e os pontos de apoio, como a família, estão muito frágeis – analisa o psiquiatra Celso Luís Cattani, especialista em dependência química.

Especialistas acreditam que, para vencer a dependência, não apenas o usuário, mas a família precisa de recuperação. Uma das redes de apoio à família mais famosa é a da Organização Amor-Exigente, com 500 grupos espalhados pelo país. Em 2003, o crack representava 25% dos pedidos de ajuda. Hoje, a pedra é a motivação de 73% dos chamados. Em Caxias, a Pastoral de Auxílio ao Toxicômano (Patna) Nova Aurora é uma das instituições que sedia reuniões com a filosofia da Amor-Exigente.

O problema é que o crack provoca um desgaste tão grande nas relações que muitos parentes até iniciam, mas não dão andamento nos grupos. Segundo profissionais experientes da área, o que muitos querem é se livrar do transtorno. A internação do viciado em crack é encarada como um alívio.


Mãe relata a dor de ter perdido o filho para o vício do crack

"Hoje vivo um dia após o outro" diz Flávia Costa Hahn após a tragédia que se abateu sobre sua família


Duas horas e meia após depor à Delegacia de Homicídios e Desaparecidos, a representante comercial Flávia Costa Hahn, 60 anos, recebeu Zero Hora e Diário Gaúcho para falar sobre a tragédia que se abateu sobre sua família desde o domingo de Páscoa, quando empunhou o revólver que matou o único filho, Tobias Lee Manfred Hahn, viciado em crack.

Sentada na sala de sua casa de três pavimentos com piscina na região conhecida como Sétimo Céu, no bairro Tristeza, em Porto Alegre, ela relembrou durante uma hora momentos dramáticos da sua trajetória como mãe, com a ressalva de que não falaria sobre o dia da morte de Tobias. 


A seguir, trechos do desabafo de Flávia:

O FILHO SONHADO

“Fui mãe aos 34 anos. Um filho desejado. Estávamos nos Estados Unidos e nunca tivemos casa própria. Vivíamos como ciganos de um país para o outro. No dia que eu engravidei, a gente decidiu fazer essa casa para o nosso filho. Nasceu aqui, mas logo fomos morar na Venezuela. Eu ficava com ele, não trabalhava. Era um menino espoleta, bagunceiro, hiperativo. Ficou lá até aos nove anos, quando voltamos para o Brasil.”

A MACONHA NO COLÉGIO

“Quando a gente voltou, logo consegui trabalho. Acho que foi ali o meu erro. Pensando que ele estaria bem no colégio, tinha uma pessoa muito boa (uma empregada) cuidando dele. À noite e nos finais de semana, eu estava sempre em casa. Pensei que isso seria suficiente, mas não foi para o Tobias. Ele saía com os amiguinhos, começou com a maconhazinha no colégio. Acho que não fui enérgica o suficiente.”

A SUPERPROTEÇÃO

“Filho único. Ele sempre me dominou. Tinha um jeitinho de pedir as coisas que eu não podia negar. Quando não estava no crack, era muito carinhoso. Era a mãezona dele. Às vezes, eu brigava com meu marido, que era mais enérgico, para defender ele. Foi muito mimado por mim. Acho que foi esse meu defeito.”

O INÍCIO DO PESADELO

“O Tobias usava droga desde os 14 anos. Da maconha, passou para a cocaína. Em 2002, ele se meteu com uma gangue e teve problemas com a polícia. Mas mantinha o vício assaltando, roubando. E eu, como mãe, nem sabia. A gente é sempre a última a saber. Então eu consegui um trabalho em Brasília e fui para lá. O meu marido ficou aqui, desesperado, não aguentou a situação. O Tobias batia no meu marido, maltratava a pessoa que cuidava do meu marido. Então, levei ele para Brasília.”

AS NAMORADAS E A PASSARELA

“Brasília foi um santo remédio. Ele deixou a cocaína, ficou na maconha. Ele teria de ter amigos e não tinha. Passou três meses suando no apartamento. Não sabia que a falta de cocaína dava essa suadeira nele. Conseguiu outros amigos, uma namorada. Fez curso de modelo, cuidava da pele, fazia musculação. Fiquei um ano e meio em Brasília. Ele ganhou dinheiro desfilando, as gurias correndo atrás dele. Era loirinho e chamava a atenção. Depois fui para o Rio. Continuou com a maconha, mas nunca me pediu dinheiro além da mesada de R$ 300. Ele ia à praia, fez curso de guia de turismo e trabalhava como modelo. Até a Xuxa chamou ele para entrevista.”

O RETORNO E O CRACK NA PORTA DE CASA

“O inferno começou em 2006. Voltei para minha casa para ser representante da empresa em que trabalhava. Fiquei aqui, viajando pelo Estado e por Santa Catarina, e ele reencontrou antigos amigos e começou a usar crack direto. Aqui é muito fácil. Vivemos em uma zona residencial classe A, mas se caminha 200 metros e tem uma vila com três traficantes e do outro lado tem um beco com um monte de traficantes. O crack é muito barato. Qualquer um tem R$ 5 para comprar.”

AS INTERNAÇÕES

“Ele não aceitava. A primeira foi pelo meu plano de saúde. Chamei uma ambulância e, enquanto ele dormia, vieram aqui, o pegaram e levaram. Ficou 30 dias na Clínica São José. Saiu de lá bem, tomando remédio, um antidepressivo e um remédio que bloqueia o cérebro e não dá vontade de usar drogas. No momento em que parou com o remédio, voltou para a droga. Internei ele seis vezes. Meu plano de saúde pagava só uma vez por ano e até 15 dias. Era muito caro, R$ 400 por dia. Quando eu não tinha dinheiro, pedia via ordem judicial. Dizia ao oficial de Justiça a hora em que o Tobias estava em casa dormindo e que tinha de vir com a Brigada. Eles chegavam aqui, pé por pé, eu abria a porta, acordava ele, e ele ia para o PAM 3, na Vila Cruzeiro do Sul, aguardando vaga em um hospital em SUS.”

AS ROUPAS QUE VIRAM DROGA

“Em 2007, comprei uma moto nova (Honda 125 cilindradas) para ele, e ele começou a trabalhar como motoboy. Eu viajava muito naquele tempo e não conseguia controlar ele. Depois, ele disse que roubaram a moto. Trabalhou no Clube Jangadeiros, lixando barcos, gostava muito. Consumia tudo que ganhava. Nunca comprou uma peça de roupa para ele. Tudo eu dava. No ano passado, consegui um emprego em uma grande transportadora em Manaus. Comprei a passagem aérea para ele fazer entrevista. O voo saía as 2h, mas ele sumiu. Me deixou com a mala e a roupa nova comprada. Perdi a passagem. Depois, ele vendeu a roupa. Era uma coisa a mais que ele tinha para vender para consumir drogas.”

MÃE VIRA BANCO 24 HORAS

“Quando surtava, ele me batia. Me bateu várias vezes. Às vezes, ele dava tapas no meu rosto e a cabeça voava. Ficava toda machucada. No Natal passado, ele queria dinheiro, eu não tinha, e ele me tirou a soco de casa até o bar do seu Adão, que é meu amigo, aqui perto, para pedir R$ 20. Estava fechado. Ele me empurrou a soco, escadaria acima, até a casa do seu Adão. Eu caía, levantava, ele me empurrava para ir mais rápido. Não tinha ninguém. Tive de voltar em casa, pegar o cartão de crédito e ir no banco sacar dinheiro. Eu era o banco 24 horas dele.”

TROCO ESCONDIDO EM CASA

“Nos dias 30 e nos dias 6 ou 8 , quando meu marido e eu recebíamos, ele infernizava a minha vida. Pedia dinheiro, três, quatro vezes por dia. Eu já deixava escondido. Trocava uns R$ 200 por notas de R$ 5, R$ 10, R$ 20. E quando ele incomodava muito, dava R$ 5. Aí, ele ficava mais uma hora pedindo, a noite toda. Dava dinheiro para ele não roubar outras pessoas. Pela violência dele, podia cometer um crime. Eu tinha de caminhar uns 20 minutos (2,3 quilômetros) até um caixa 24 horas buscar dinheiro. Isso à noite, de madrugada. Ultimamente, eu ia dormir na casa de uma amiga. Meu carro (um Gol) está parado há um ano. Não quis arrumar. Ele vendeu a bateria e o estepe, a chave de roda, e deixei assim.”

ACESSO PROIBIDO AO FILHO

“Primeiro foram as roupas dele. Depois, o meu guarda-roupas. Os meus casacos de pele, meus sapatos. Um dia entrei lá e não tinha mais nada. Depois acabou com a roupa de cama, tapetes. Coisa de valor, ele empenhava com os traficantes por R$ 50. Eu dava o dinheiro e mandava ele buscar. Deixava a casa toda chaveada. Só deixava acesso à cozinha e ao quarto dele. Ultimamente, ele só ameaçava colocar fogo na casa. Tinha medo dele.”

A FAMÍLIA DEPENDENTE

“O crack mantém a gente refém dele. Os familiares, as mães, os pais, pensam 24 horas no crack. A gente também é viciado nela. É uma maldição. Tu pensa: daqui a pouco vou ter de dar dinheiro para o crack. É incrível. A gente fica pensando quando isso vai acabar. De cada mil pessoas, acho que uma pessoa se livra do crack. Nunca perdi a esperança que ele sairia das drogas.”

AS AMEAÇAS E O TIRO

“Nunca pensei que pudesse ter uma atitude radical com o Tobias. Só peguei aquele revólver para assustá-lo. Foi um tiro só. Um acidente. Não direcionei a arma, não apontaria para o rosto dele. Ele passou correndo por mim, estava desnorteado. Tentou me explodir com gás dentro da cozinha, foi dramático. Estou na mão de Deus e da Justiça. A coisa mais preciosa que eu tinha, já perdi. Tudo que vier, vou receber como tem de ser.”

O TRATAMENTO NA PRISÃO

“Me trataram muito bem no presídio (Penitenciária Feminina Madre Pelletier). Menos as detentas. Diziam: ‘a assassina do filhinho? Não a queremos na cela’. Me colocaram em uma solitária, e elas (agentes) me disseram: ‘não se preocupe, a gente está com a senhora’. Me deram café da manhã, almoço. Cheguei lá na madrugada e fiquei até as duas da tarde.”

O ANIVERSÁRIO E O CEMITÉRIO

“A vida parece que parou. O centro das minhas atenções era meu filho. Por mais que me usava para comprar droga, eu estava sempre perto dele. A vida está vazia. Domingo passado era aniversário dele. Fomos ao cemitério, levei flores e rezei por ele. Vou a uma igreja espírita. O pior momento dessa tragédia foi ver o meu filho sem vida. Hoje vivo um dia após o outro.”

UM RECADO ÀS MÃES

“É preciso procurar toda a ajuda, como eu fazia. O crack é tão forte que, quando a pessoa consome muito, bloqueia todo o sistema nervoso. Então, a pessoa não é mais ela. Não se pode desistir nunca. Não tive sorte de salvar meu filho, mas pode ser que outras tenham. Na infância, acho que a mãe deve deixar de trabalhar e se dedicar absolutamente às famílias.







Nenhum comentário: