Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Respondendo às 20 dúvidas que mais atormentam os pais dos adolescentes:


 

1-       Como descobrir se meu filho usa drogas?

 Se existir diálogo entre vocês a única coisa a fazer é questionar. Pergunte. Se a relação entre vocês for boa, o filho vai falar a verdade. A expressão 'usar drogas' contém um preconceito. O filho pode eventualmente experimentar maconha e não ser um viciado. Aliás, esse é o padrão médio. Quando a gente fala 'descobri que usa drogas', já estamos empurrando a situação para um nível de gravidade que pode não existir. O importante é entender - não ser cúmplice, mas saber se aquilo expressa uma crise ou se é só uma experiência pela qual o jovem passou. Não vale fazer um carnaval sem mensurar a gravidade da situação. É preciso cautela para não complicar as coisas.  Há indícios claros, como mudança de humor sem causa aparente, agressividade, sudorese, insônia ou sono excessivo, troca do dia pela noite, perda de interesse pelas atividades habituais - vários sintomas juntos, por um tempo mínimo de três semanas. Se perceber isso, tente conseguir provas mais concretas e então converse, apresentando os fatos e dizendo que está disposto a ajudar. Não é raro o jovem negar. Portanto, só fale com certeza e provas concretas. Nunca invada a privacidade de seu filho bisbilhotando nas coisas dele. Não perca a confiança nele e nem faça que ele perca a que deposita em você.


2-     Devo contar para meu filho que na adolescência experimentei maconha?

Em que essa informação poderá contribuir na educação de seu filho? Essa deve ser a primeira pergunta a ser feita. Se você considera desnecessário é melhor suprimir e não contar. Se você quer se humanizar diante dele, mostrar que também já falhou e que superou esse obstáculo, primeiro tente avaliar o impacto que isso terá para ele. Talvez seu filho não queira saber que seus pais foram “diodões” na adolescência. É uma decisão individual, e não há certo ou errado. Como os filhos brigam por privacidade, pai e mãe também têm direito a ela. Se achar que deve, conte. Se achar que não deve, não conte. Pela imaturidade, eles podem achar que, se você usou, eles também podem.

3-     Como falar sobre drogas com meu filho adolescente?

Fale de seus sentimentos em relação às drogas, dos dramas que você tem acompanhado pela TV ou na família, peça a opinião dele, tente descobrir o que seu filho pensa sobre isso, sem ser um inquisidor. Não pode ser lição de moral. A única forma de acessar seu filho para falar honestamente sobre droga é falando de sua preocupação. Não de sua raiva ou de sua condenação moral. 'Estou preocupado porque desconfio que você está usando droga e acho que isso não é uma boa.' É um bom início de conversa.

4-     Existe alguma forma de prevenir o uso de drogas?

O relacionamento familiar é a base de tudo. É uma soma de fatores: dar amor, mas com autoridade e limites, e conhecimentos sobre o assunto são os mais importantes. Mas as companhias, as oportunidades e as características pessoais também influenciam. Por isso é importante conhecer os amigos de seus filhos e os ambientes que freqüentam. Não dá pra ser um pai ou mãe ausente e depois querer se descabelar.

5-     De uns tempos para cá, meu filho não quer mais conversar ou sair comigo. O que fazer?

Meu filho do meio me excluiu de seu orkut. Eu questionei o por que ele não quis mais a minha amizade pelo orkut e ele disse: Eu e você moramos juntos, se precisar fale comigo, não quero ficar ”pagando pau”. Ok. Respeitei sua decisão, eu também acho que mãe no orkut é mesmo chato, é aquele cute cute, e meu filho não estava se sentindo a vontade. Não tem nada a ver com o amor que ele sente por mim. È uma opção.  Tem que haver respeito e individualidade. Os filhos têm o direito de não querer sair com os pais sempre. E os pais têm o direito de cobrar a presença dos filhos nas reuniões familiares. É normal numa fase o filho não querer conversa. De repente, você não está tocando em nenhum assunto interessante. Vai ver detesta falar sobre bandas de rock da Finlândia, mas para conversar com seu filho vai ter de falar alguma coisa sobre esse assunto

6-     Meu filho não sai da frente da televisão. Devo proibir?

Passar o dia na frente da TV significa que algo não está bem. Ele poderia estar conversando ao telefone, no clube, namorando, usando a internet ... Quem só tem a televisão como companhia está com alguma coisa errada do ponto de vista psicológico. Se isso não muda, o jeito é procurar ajuda especializada.


7-     Meu filho mudou muito seu jeito de vestir-se. Tem usado piercing e quer fazer uma tatuagem. Como me relacionar com esse tipo de atitude?

Atenção! Usar piercing ou fazer tatuagem sem autorização dos pais antes dos 18 anos é i-le-gal. E quem autoriza assume riscos. No caso do piercing eles incluem infecções, hepatite e HIV. Caso seu filho não arrede pé, sugira o piercing em lugares menos sensíveis, como orelha e umbigo. Lugares com mucosa - boca e sobrancelha, por exemplo - são arriscados. E o número de cirurgiões plásticos que ganham dinheiro em cima das tatuagens arrependidas não é pequeno. Se ele for maior, a responsabilidade é dele. Mas, se o dinheiro for seu, você decide se ele poderá usar ou não.


8-     Qual a melhor hora e forma de falar sobre sexo com meu filho?

Hora? Quando ele perguntar. A melhor forma é ser verdadeira, e não falsear a realidade. Responda só ao que ele perguntar, com clareza e objetividade. Se não se sente à vontade, compre um bom livro - hoje existem muitos. Leia antes para ver se você concorda com a postura do autor e dê-lhe de presente. s pais têm de estar sempre disponíveis para responder. Mas em minha opinião não devem se meter muito nos assuntos de sexo dos filhos, a não ser para sugerir medidas importantes como o uso de camisinha ou a ida ao ginecologista.

 

9-     Devo fixar um horário para os filhos chegarem em casa?

 Até que eles estejam independentes e maduros, devemos não só saber a que horas voltam como também onde e com quem estará. Claro, dez minutos de atraso não são motivo para escândalo. Não podem chegar a qualquer hora. Mas os pais têm de acompanhar os horários atuais. Hoje as festas começam às 23 horas e acabam às seis e meia da manhã. Se não chegarem na hora, devem ligar para dizer o que está acontecendo.


10- Meu filho tem muitos amigos. Como deve ser minha relação com eles?

Informal, verdadeira, mas nunca tentando se apresentar como jovem. Por mais que goste deles, você não é da turma. Contenha se.  Isso é o que os adolescentes detestam o famoso 'mico'. Em algum momento você pode precisar ser autoridade, e 'coleguinhas' não têm autoridade.

 

11- Meu filho diz que seu quarto é um espaço independente e que lá pode dormir com a namorada e até mesmo fumar maconha. Devo deixar?

Claro que não. O espaço só é independente porque foi concedido pelos pais. Jovens não são donos do quarto, são no máximo sócios minoritários. Só têm direito à privacidade enquanto estiverem dentro das regras que regem a casa. E elas são fixadas pelos pais.

12- Meu filho quer fazer uma festa de aniversário, mas pediu para que eu não participe. Isso é correto?

Não participar é uma coisa, não estar presente é outra. O que os filhos temem é que os pais fiquem lá todo o tempo, postados como 'guardas'. Olhar, supervisionar, você deve, sim. Filho não proíbe nada aos pais - é uma inversão de papéis. Mesmo porque, até os 18 anos, eles são menores, você é que responde pelo que eles fizerem de ilegal e por confusões que acontecerem na festa.

13- Devo orientar meu filho ou filha a usar camisinha?

Sim, sim, sim. Da mesma maneira que você orientou seu filho a escovar os dentes. Você não está dizendo 'transe quando quiser e use camisinha', mas 'se transar, tem de usar camisinha'. Camisinha é indispensável. Por falta dela, os casos de Aids voltaram a crescer e a gravidez entre adolescentes também.

14- Quando levo minha filha ao ginecologista? Eu entro com ela?

Cedo. Não na hora de ter uma relação sexual - bem antes disso. Você deve levar sua filha ao médico, mas pode ser um hebiatra (especialista em adolescentes). Se ela tiver alguma ardência, corrimento ou se você tiver dificuldade em explicar o que é uma menstruação, leve ao ginecologista. A partir do caso do médico Eugenio Chipkevitch, preso por abuso de menores, as associações médicas fixaram critérios para atendimento a adolescentes. Se for um médico homem, ele é obrigado a ter na sala uma enfermeira ou assistente. Você entra junto se tiver qualquer dúvida. Por fim, hoje não existe mais aquela história de saber se minha filha é virgem ou não. Eu nem entro nessa história. Se a mãe não tem confiança em sua filha, então o problema é outro, não é o médico que vai resolver isso.

15- Que fazer se minha filha ficar grávida?

Você não vai fazer mais nada. Devia ter feito antes, ensinar a usar camisinha. Resta aos pais serem gentis e acompanhá-la ao pré-natal. Aborto ou não? Quando engravida, por lei, a moça é emancipada. É ela que decide não a mãe, a patroa, o empregador. Na verdade, é o par amoroso. Vou voltar ao ponto inicial: prevenção, prevenção e prevenção.

 

16- É comum em casa meus filhos beberem com a gente durante um churrasco, um almoço. Isso é certo?

Depende da educação que você está dando ao seu filho. Você tem orientado seu filho a seguir a lei? Por lei, até os 18 anos é vedado ao jovem o uso de bebida alcoólica. Lembre-se de que o álcool é a droga mais usada pelos jovens, e a maior responsável por  mortes e acidentes de trânsito. Se os pais autorizam em casa, fora eles também usarão. Use a lei como argumento, é ótimo e você ganha tempo até que eles amadureçam um pouco mais.

17- Meu filho ainda não tem 18 anos mas adora dirigir. Qual deve ser minha atitude diante disso? Deixo que dirija o carro mesmo sem carteira?

Nem pensar. É absolutamente ilegal e põe em risco a vida dele e dos outros.


 18- Como orientar meu filho quanto ao risco de dirigir ou andar num carro com alguém embriagado?

Fale claramente, isso é uma questão vital. Declare todas as suas preocupações. Mostre dados concretos, como notícias de acidentes. Diga que você pode buscá-lo, peça que telefone ou, se tiver condições, deixe-o voltar de táxi. Diga que arriscar a vida por nada, entrando no carro de um amigo bêbado, é insegurança. Ensine-o a se defender.

 

19- Gasto uma fortuna na educação dos meus filhos, mas eles não levam o estudo a sério. O que fazer diante dessa situação?

Se eles nunca repetiram, estudam razoavelmente e não dão problemas de disciplina, talvez seu nível de exigência esteja muito alto. Agora, se os resultados estão muito baixos e seus filhos vivem ameaçados por reprovações, estabeleça algum tipo de sanção. Por exemplo: nota abaixo de 6, não vão à festa. Eles têm direitos, mas também deveres. Estudar é o principal deles.

 

20- De vez em quando dou uma olhada no quarto do meu filho para ver se encontro algo estranho. Isso é certo?

 Errado. Os pais partem do princípio de que há algo estranho no quarto do filho. Os pais têm de dar certo espaço para o adolescente. Se houver uma desconfiança, o melhor é conversar. Senão, acaba o essencial, a confiança.

 

 

 

Nenhum comentário: