Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

sexta-feira, 31 de julho de 2009

PROFESSOR – UMA ESPÉCIE EM EXTINÇÃO


Desabafo de uma profissional que está lecionando há mais de 22 anos e que não sabe se sobreviverá por mais dez anos, que é o tempo que ainda precisarei trabalhar (por mais que ame muito o que faz).

Trago comigo muitas perguntas que não querem calar. E talvez a mais inquietante é: O que será necessário acontecer para se fazer uma reforma educacional neste país????

Constantemente ouço ou leio reportagens com as autoridades educacionais proclamarem a má formação de seus professores. Culpando as universidades, a falta de cursos de formação e culpando-nos evidentemente.

Se a educação neste país não vai bem só existe um culpado: o professor.

E aí vem meus questionamentos:

Como um professor de escola pública pode fazer o seu trabalho se ele precisa ficar constantemente parando sua aula para separar a briga entre os alunos, socorrer seu aluno que foi ferido por outro aluno, planejar várias aulas para se trabalhar os bons hábitos na tentativa vã de se formar cidadãos mais conscientes e de melhor caráter?

Nos cursos de formação nos é passado constantemente a recusa de um programa tradicional e conteudista, mas nossas avaliações de desempenho das escolas, nossos vestibulares e concursos públicos ainda são tradicionais e nos cobra o conteúdo de cada disciplina.

Como pode num país.....num estado...num município haver regras tão diferentes entre a rede particular e pública?

Na rede particular as escolas continuam conteudistas, há a seriação com reprovação, a escola pode suspender ou até mesmo expulsar um aluno que não esteja respeitando as regras daquela instituição.

A rede pública vive mudando o enfoque pedagógico (de acordo com o partido que ganhou as eleições), é cobrado cada vez menos do aluno, não se pode fazer absolutamente nada com um aluno indisciplinado que até mesmo coloca em risco a segurança de outros alunos e funcionários daquela instituição.

Dia a dia...minuto a minuto... os professores são alvos de agressões verbais e até mesmo física pelos alunos. A cada dia somos submetidos a níveis de stress insuportáveis para um ser humano.

Temos que dar conta do conteúdo a ser ensinado + sermos responsáveis pela segurança física de nossos alunos + sermos médicos + enfermeiros + psicólogos + assistentes sociais + dentistas + psiquiatras + mãe + pai ......

E quando ameaçados de morte e recorremos a uma delegacia pra fazer um boletim de ocorrência ouvimos: “Isto não vai adiantar nada!”

Meus bons alunos presenciam o mal aluno fazendo tudo o que não pode ser feito e não acontecendo nada com ele. É o exemplo da impunidade desde a infância.

Meus bons alunos presenciam que o aluno que não fez absolutamente nada durante o ano, passou de ano como ele, que se esforçou e foi responsável. Houve um ano que eu tinha um aluno que era muito bom.

E ele começou a faltar muito e ir mal na escola. Os colegas diziam que ele ficava empinando pipa ao invés de ir pra escola. Um dia, tive uma conversa com ele, e perguntei o que estava acontecendo?

E ele me disse:

“Prá que eu vou vir prá escola se eu vou passar de ano mesmo assim?”

Então eu procurei aconselhar (como faço com meus alunos até hoje) que ele devia freqüentar a escola, não para tirar notas boas nas provas ou passar de ano. Ele deveria vir a escola para aumentar seu conhecimento que é o único bem que ninguém poderá roubar.

Que a escola iria ajudá-lo a aprender e trocar conhecimentos com os outros e ajudá-lo a dar uma melhor formação na vida.. Depois dessa conversa ele não faltou mais tanto...mas nunca mais voltou a ser o excelente aluno que era. Qual a motivação de ser bom aluno hoje em dia?

Seus ídolos são jogadores de futebol que não falam o português corretamente e que não hesitam em agredir seus colegas jogadores e até mesmo os árbitros. Ensinando que não é necessário haver respeito as autoridades e aos outros.

Ou são dançarinas que mostram seu corpo rebolando na televisão e pousando nuas para ganhar dinheiro. Para quê eu me matar de estudar se há tantas profissões que não são valorizados e nem respeitadas?

Conheci (e ainda conheço e convivo) ao longo de minha carreira na escola pública, inúmeros profissionais maravilhosos. Pessoas que amam a sua profissão, que se preocupam com seus alunos, que fazem trabalhos excepcionais. Que possuem um conhecimento e formação excelentes, mas que estão desgastados e quase arrasados diante da atual situação educacional.

Li a poucos dias num artigo que os cursos de filosofia, matemática, química, biologia e outros todos ligados a área de magistério não estão tendo procura nas universidades.

Lógico!Quem é que quer ser professor?

Quem é que quer entrar numa carreira que está sendo extinta, não só pela total desvalorização e respeito, mas também pela falta de segurança que estamos enfrentando nas escolas.

Fiquei indignada com uma reportagem na TV (que aliás adora fazer reportagens sensacionalistas colocando o professor sempre como vilão da história) em que relatava que numa escola um aluno ameaçava os outros com um revólver e num determinado momento o repórter perguntou:”Onde estava o professor que não viu isso??!!”


E agora eu pergunto: “O que se espera de um professor (ou de qualquer ser humano), que se faça com uma arma apontada pra você ou pra outro ser humano?

Ah...já sei...o professor deveria enfrentar as balas do revólver!

Claro!!! As universidades e os cursos de aperfeiçoamento de professores não estão nos ensinando isso..

Vocês tem conhecimento de como os professores de nosso país estão adoecendo?

Vocês sabem o que é enfrentar o stress que a violência moral e física tem nos submetido dia a dia?


Você sabe o que é ouvir de um pai frases assim:

“Meu filho mentiu, mas ele é apenas uma criança!”

“Eu não sei mais o que fazer com o meu filho!”

“Você está passando muita lição para meu filho, e ele é apenas uma criança!”

“Ele agrediu o coleguinha, mas não foi ele quem começou.”

“Meu filho destruiu a escola, mas não fez isso sozinho!”


Classes super lotadas, falta de material pedagógico, espaço físico destruído, violência, desperdício de merenda, desperdício de material escolar que eles recebem e, muitas vezes, não valorizam (afinal eles não precisam fazer absolutamente nada para merecê-los), brigas por causa do “Leve-leite” (o aluno não pode faltar muito, não por que isso prejudica sua aprendizagem, mas porque senão ele não leva o leite.)


Regras educacionais dissonantes de acordo com a classe social dos alunos. Impunidade. Mas a educação não vai bem, por causa do professor..

Por verônica Dutenkefer


Que tipo de comentarista é você?

1) O Preguiçoso - Nunca lêem os artigos do blog na íntegra e adoram fazer comentários sem contexto do tipo “Blog legal”;

2) O Spammer - Fazem comentários com uma única e exclusiva finalidade: autopromoção e divulgação, sempre tem um link na ponta da língua;

3) O Ignorante - Nos comentários buscam uma solução para dúvidas e perguntas idiotas. Quase sempre as respostas para dúvidas e perguntas já encontram no próprio artigo do blog;

4) O Desaforado - Sentem-se no direito de ofender o blogueiro por motivos banais, como discordar de uma opinião ou por não ter encontrado o que queriam (leia-se material pornográfico, ilegal e afins). Adoram promover a discórdia, muitos são “trolls” ;

5) O Folgado - Costumam pedir favores de toda ordem, alguns bem esdrúxulos (emprego, dinheiro emprestado, serviços gratuitos e até favores sexuais...), quase sempre urgentes, pois crêem que o blogueiro tem todo tempo e disposição do mundo;

6) O Analfabeto Funcional - Não compreendem 10% do artigo do blog e nos comentários soltam pérolas da ortografia e gramática. São raros os comentários que podem ser traduzidos ou compreendidos;

7) O Pseudo-Intelectual - Lêem razoavelmente os artigos do blog e pesquisam sobre o assunto para fazer comentários longos com linguagem formal e elaborada, posando de inteligente perante outros comentaristas;

8) O Chato - Qualquer erro mínimo do blogueiro como falta de espaço de um parágrafo para o outro, ou a troca de letras em uma palavra, é motivo para um comentário áspero e com crítica destrutiva;

9) O Bajulador - É incapaz de discordar de um vírgula do artigo e sempre elogia o blog, o artigo e o blogueiro em comentários superficiais e sem nenhuma relevância, geralmente com o interesse de ser linkado.

10) O Lunático – Não sabem como vieram parar no blog, não sabem o que é um blog. Utilizam-se dos comentários para expor profecias e teorias da conspiração. Costumam se identificar como grandes personalidades, a exemplo de Jesus Cristo, Napoleão, Hitler e afins...

Retirado de http://www.acasadenoca.com , um blog muito legal, visita lá!

CONSCIENTIZAÇÃO:MEIO AMBIENTE-->Recuse sacolas plásticas!!!


A sacola plástica foi uma invenção criada para nos trazer conforto e praticidade, mas hoje é uma grande ameaça ao futuro do planeta.
A sacola foi inventada aproximadamente por volta de 1862 e foi uma grande revolução ao comércio facilitando e baixando custos, no Brasil chegou pelos anos 80.
Estima-se que no Brasil sejam consumidas cerca de 35 mil sacolas por minuto, dois milhões por hora, segundo estudos cada pessoas consome em média, mais de 66 pessoas por mês, em 2007 estimava-se que o consumo anual era de 18bilhões de sacolas...

Razões para recusar sacolas plásticas.

- As sacolas plásticas são feitas em sua maioria de um derivado do petróleo chamado polietileno de baixa densidade (PEBD), sua decomposição pode demoras até mais de cinco séculos, o que significa que uma sacola que você dispense hoje, poderá ser encontrada por seu tataraneto.



-A manufatura do polietileno faz-se a partir de combustíveis fosseis e acarreta a emissão de gases poluentes e quando incineradas as sacolas liberam toxinas nocivas a saúde.



-As sacolas quando chegam ao mar ou rios são responsáveis pela morte de diversos tipos de animais marinhos, são cerca de 200 diferentes tipos de animais, entre eles golfinhos, peixes, baleias, focas e principalmente tartarugas (que confundem as sacolas com águas vivas um de seus alimentos) além de várias espécies de aves marinhas.



-As sacolas plásticas em sua maioria acabam indo pra lixões (cerca de 80% são usados apenas uma vez depois descartados) e não são recicladas, degradando o meio ambiente. No Brasil é responsável por cerca de 10% de todo o lixo.



-Sua produção também é nociva ao meio ambiente, pois para produzir uma tonelada de plástico são necessários 1.140 kw/hora (esta energia daria para manter aproximadamente 7600 residências iluminadas com lâmpadas econômicas por 1 hora), sem contar a água utilizada no processo e os dejetos resultantes.



-Grande parte das sacolas acaba indo para bueiros e redes de esgoto, são responsáveis pelo acumulo de mais lixo causando entupimento dos canais, sendo assim responsável por enchentes e inundações em diversas cidades.



-As sacolas geram mais custo ao comércio, o que poderia ser repassado ao consumidor em forma de preço mais baixo.



Na Europa em alguns países os mercados cobram pelas sacolas plásticas descartáveis, no Japão também é assim. Na China é proibido mercados distribuírem de graça sacolas. Em algumas localidades como em Bangladesh já é proibida a utilização de sacolas plásticas. Algumas redes de supermercados disponibilizam sacolas biodegradáveis, que são consumidas por microorganismos não prejudicando o meio ambiente, porém algumas redes distribuem sacolas oxi-biodegradáveis, que se decompõe mais rápido, porém se utilizam de componentes químicos nocivos ao meio ambiente para se decompor então continuam poluindo só não se podem ser vistas.
Em um formigueiro cada formiga é responsável por uma atividade para que o formigueiro e as formigas habitantes no formigueiro sobrevivam.
Em nosso planeta somos nós os responsáveis pela nossa sobrevivência e pequenas atitudes feitas por nós, fazem grande diferença para evitar a destruição de nosso “grande formigueiro”.
Eu como um “formigo” muito preocupado com o futuro de minha espécie e de meu “formigueiro”, estou fazendo minha pequena tarefa de recusar sacolas plásticas e tentar conscientizar você que está lendo este texto, que eu consiga de forma definitiva colocar o mesmo sentimento de consciência que eu tenho em mais uma pessoa já me sentirei grato e valeu toda minha dedicação em escrever este texto. Se forem 10, 100, 1000 pessoas muito melhor, se cada pessoa que entender o recado conseguir trazer mais uma outra pessoa pra esse lado e assim por diante, imagina o bem que estarei fazendo no resultado final.


Não estou sendo hipócrita de dizer não aceite “sacola plástica” e ai você vai comprar uma dúzia de laranja e carrega tudo na mão, claro que não, digo que a atitude mais correta é evitar ao máximo as sacolas, eu que trabalho no comércio muitas vezes vejo pessoas que pegam sacolas saem da loja e jogam no lixo da frente, ou cansei de ver pessoas que exigem sacolas para colocar uma caixa de fósforo por exemplo, nestes casos é estupidez demais.
Existem situações em que não é necessário sacolas, às vezes se a quantidade de compras for muito grande podem-se pedir caixas de papelão e uma das formas mais inteligentes de não usar sacolas plásticas é o uso daquela velha sacola retornável de pano, você pode achar “isso é coisa de tiozinho”, mas é uma atitude que talvez ajude seu tataraneto chegar a ser um tiozinho em um mundo melhor!!!
Assim estaremos fazendo nossa parte para o bem de nossa futura geração e de nosso “grande formigueiro”, ainda que “grandes formigueiros” como os EUA não façam sua parte nem assinando tratados importantes como Kyoto, por exemplo, ESTAREMOS FAZENDO NOSSA PARTE, NOSSA PEQUENA TAREFA DENTRO DESTE FORMIGUEIRÃO CHAMADO TERRA!


Faça sua parte!

Retirado de: http://locomundojapa.blogspot.com

quinta-feira, 30 de julho de 2009


Get your own Poll!

Nossos filhos nos dominarão?




Somos as primeiras gerações de pais decididos a não repetir com os filhos os erros dos nossos progenitores. E com o esforço de abolir os abusos do passado, somos os pais mais dedicados e compreensivos, mas, por outro lado, os mais tolos e inseguros que já houve na história.


O grave é que estamos lidando com crianças mais "espertas", ousadas, agressivas e poderosas do que nunca. Parece que, em nossa tentativa de sermos os pais que queríamos ter, passamos de um extremo ao outro.

Assim, somos a última geração de filhos que obedeceram a seus pais e a primeira geração de pais que obedecem a seus filhos.
Os últimos que tivemos medo dos pais e os primeiros que tememos os filhos.
Os últimos que cresceram sob o mando dos pais e os primeiros que vivem sob o jugo dos filhos.
E o que é pior, os últimos que respeitamos nossos pais e os primeiros que aceitamos que nossos filhos nos faltem com o respeito.

À medida que o permissível substituiu o autoritarismo, os termos das relações familiares mudaram de forma radical, para o bem e para o mal.

Com efeito, antes se consideravam bons pais aqueles cujos filhos se comportavam bem, obedeciam suas ordens e os tratavam com o devido respeito.
E bons filhos, as crianças que eram formais e veneravam seus pais. Mas, à medida que as fronteiras hierárquicas entre nós e nossos filhos foram-se desvanecendo, hoje, os bons pais são aqueles que conseguem que seus filhos os amem, ainda que pouco os respeitem.
E são os filhos quem, agora, esperam respeito de seus pais, pretendendo de tal maneira que respeitem as suas idéias, seus gostos, suas preferências e sua forma de agir e viver. E além disso, os patrocinem no que necessitarem para tal fim.
E seus palpites também. "Exercem pressão para direcionar a trajetória dos pais, para que isso não atrapalhe seus planos futuros" (LCM)

Quer dizer: os papéis se inverteram, e agora são os pais quem tem que agradar a seus filhos para ganhá-los e não o inverso, como no passado.

Isto explica o esforço que fazem hoje tantos pais e mães para ser os melhores amigos e "tudo dar" a seus filhos.
Dizem que os extremos se atraem ("muitos filhos talvez não tenham a devida força para o enfrentamento dos obstáculos da vida, tal a facilidade que os pais lhe proporcionam"(LCM)

Se o autoritarismo do passado encheu os filhos de medo de seus pais, a debilidade do presente os preenche de medo e menosprezo ao nos ver tão débeis e perdidos como eles.

Os filhos precisam perceber que, durante a infância, estamos à frente de suas vidas, como líderes capazes de sujeitá-los quando não os podemos conter, e de guiá-los enquanto não sabem para onde vão. Se o autoritarismo suplanta, o permissível sufoca.

Apenas uma atitude firme, respeitosa, lhes permitirá confiar em nossa idoneidade para governar suas vidas enquanto forem menores, porque vamos à frente liderando-os e não atrás, os carregando e rendidos à sua vontade.

É assim que evitaremos que as novas gerações se afoguem no descontrole e tédio no qual está afundando uma sociedade que parece ir à deriva, sem parâmetros nem destino.

Os limites abrigam o indivíduo.
Com amor ilimitado e profundo respeito.

Texto retirado na íntegra de: Quiosque Aeiou

Dizer NÃO também educa!


A educação de nossos filhos deve ter como objetivo fundamental o desenvolvimento de pessoas responsáveis, maduras e autônomas.

Sabemos que o afeto, a ternura e a comunicação são os instrumentos básicos para conseguir este resultado, porém não podemos nos esquecer da necessidade de colocar limites claros e coerentes, ainda que muitos pais sintam-se inseguros em proibir coisas a seus filhos. Porém, se não quisermos que nossas crianças se convertam em pequenos tiranos, a colocação de limites é imprescindível.

Deixar de colocar limites na infância e esperar que quando adolescentes tornar-se-ão automaticamente jovens respeitosos, tolerantes e disciplinados é um dos maiores enganos que os pais cometem, e as conseqüências evidenciam-se tanto na própria vida familiar como na escola.

Normalmente, é muito mais fácil aos pais dizer “sim” a tudo o que os pequenos pedem, ou deixá-los fazer o que querem, mas, dizer um “não” a tempo, também é conveniente e necessário. Quando assim o fazemos, ensinamos às crianças a interiorizarem normas e conseguimos transmitir uma disciplina desde pequenos até que, progressivamente, se responsabilizem por seu comportamento.

Muito mais rapidamente que nós, pais, nossos filhos aprendem a dizer “não”. Negam-se a ir para cama, não querem lavar as mãos antes de comer, querem comer apenas o que desejam, não querem tomar banho quando pedimos, não guardam seus brinquedos, enquanto que para nós é muito mais difícil manter firmes certos critérios, certas normas, certos limites.

De modo algum estamos querendo dizer que devemos ser rígidos e intolerantes, muito menos pais despóticos, que com autoritarismo sempre se opõem aos desejos de seus filhos e, sim, entender a realidade e as possibilidades dos pequenos em cada etapa de seu desenvolvimento, mostrando-lhes de forma clara aquilo que podem ou não fazer, o que é permitido e o que não é.

De fato, não é fácil dizer não e nem todas as famílias são iguais.

Cada uma tem sua forma de educar seus filhos, mas, ainda que às vezes e em determinadas idades seja difícil encontrar um meio termo entre o “deixar fazer” e o “proibir”, o mais importante é ser coerente e manter a decisão mais conveniente para cada ocasião.

Outro fator de grande importância é que as crianças aprendem muito imitando-nos, observando nossas atitudes, valores e comportamentos, e, portanto, estes devem estar em consonância com nossas palavras já que de outro modo perderão a seus olhos todo o seu sentido, além de estarmos contribuindo para ensinar contravalores.

Não podemos esquecer que a “casa” é o autêntico formador de pessoas. As crianças, desde muito pequeninas, aprendem o tempo todo com sua família, não somente pelas palavras ditas, mas sobretudo, sobre aquilo que vêem nela, a forma como atuam, como agem perante os problemas.

Definitivamente, as crianças observam e copiam o proceder de seus pais ante a vida.

Uma autêntica educação em valores, mas que ser ensinada, é transmitida, vivenciada, experimentada.

A vivência de normas e limites é fundamental para a construção dos valores, que não se transmitem por via genética, por isso é tão importante levá-los em conta na educação de nossos filhos.

Porém, de modo algum podemos esquecer que os valores não se ensinam independentemente do resto das coisas, nem através de grandes explicações, de sermões ou listagem daquilo que consideramos correto ou não, esperando que nossos filhos os memorizem.

Reiteramos que os valores se transmitem através do exemplo prático, através da cotidianidade, de nosso comportamento no dia a dia.

Por isso, a melhor forma de agir com limites, transmitir valores, de aprender a viver em sociedade, é jamais aplicar o ditado tão popular "faça o que eu digo e não o que eu faço". Se queremos que nossos filhos sejam responsáveis e autônomos para ajudar a construir uma sociedade melhor, devemos começar por criá-la nós mesmos e "fazer o que dizemos".

Texto de: Vera Lúcia Camara Zacharias é mestre em Educação, Pedagoga, consultora educacional, assessora diversas instituições, profere palestras e cursos, criou e é diretora do CRE.

Solidariedade é importantíssimo !





A notícia publicada no G1 sobre a cadela chamada "Tequilla" tem amamentado, além de seus oito filhotes, uma ninhada de porquinhos órfãos, nos leva a refletir sobre a solidariedade.
Mistura das raças rottweiler e pit bull, "Tequilla" amamenta os leitões como se fossem seus próprios filhotes. "É incrível, é fantástico. É bom ver coisas boas na vida e essa é uma delas", disse Angel Roman, amigo do proprietário da fazenda, Jim Favreau.
O dono da fazenda contou que resgatou os porquinhos recém-nascidos na última a segunda-feira, após a morte de sua mãe, em um aguaceiro. No entanto, segundo ele, a cadela "Tequilla" mostrou instinto maternal e passou a amamentar os suínos.

Essa atitude instintiva de um animal nos faz sentir o quanto temos sido negligentes em relação a nossos semelhantes.
Estamos sempre prontos para criticar nossos governantes, parentes amigos, mas, será que temos feito a nossa parte? Temos educado nossos filhos para a ética, a cidadania e a solidariedade? estamos tendo responsabilidade social em nosso meio?



Desde pequenino seu filho tem de aprender a lidar com as diferenças e ser solidário com os colegas . Fazer com que ele se perceba que o colega é diferente, e nem por isso ele é inferior a ele, é de vital importancia na vida de seu filho.
Na escola passamos a conviver com muitas crianças “diferentes”, de outro nivel social, outras raças, culturas, religiões e também diferenças fisicas; ensinar seu filho a respeitar o próximo é um bom começo para que ele seja um adulto feliz e bem sucedido na vida.

Temos que se ensinar as crianças que não devemos excluir o outro devido as suas diferenças, mas sim aprender com ele, e colaborar da melhor maneira possível.

O colaborar não significa dramatizar a situação, ou impedir que a criança “diferente” viva a vida de uma maneira natural, e sim colaborar no aspecto de solidariedade humana.

Acima de tudo ensinando ao seu filho que algumas pessoas nascem com alguma dificuldade seja fisica ou mental, mas nem por isso são inferiores ou pessoas que devem se manter afastadas do convivio social.

Os 10 lugares mais poluídos do planeta




O ranking da ONG ambiental Blacksmith Institute tem 300 cidades, mas o Top 10 é mesmo de assustar. Conheça o mapa da morte.


SUMGAYIT, Azerbaijão


População potencialmente afetada:
275 mil

Tipos de poluição:
Químicos orgânicos, petróleo e metais pesados, incluindo mercúrio

Fonte da poluição:
Petroquímicas e complexos industriais

O problema:
A cidade era o maior centro industrial da extinta União Soviética, com mais de 40 fábricas – destaque para as de implementos agrícolas. Entre os produtos mais danosos à saúde encontrados em Sumgayit estão borracha sintética, cloro, alumínio, detergentes e pesticidas. A taxa de mortalidade infantil é uma das mais altas do planeta. É recorrente o nascimento de crianças com câncer, deformações e Síndrome de Down.



LINFEN, China



População potencialmente afetada:
Cerca de 3 milhões

Tipos de poluição:
Fuligem, monóxido de carbono, óxido de nitrogênio, dióxido sulfúrico, compostos orgânicos voláteis, arsênico e chumbo

Fonte da poluição:
Automóveis e emissões industriais

O problema:

O lugar é o coração da indústria chinesa de carvão e, também, uma das regiões mais populosas do país. Nos últimos anos explodiram os índices de bronquite, asma, pneumonia e câncer de pulmão. A arsenicosis, doença que aflige quem toma a água local (cujo teor de arsênico é considerado irresponsável pela OMS), já é uma epidemia.

TIANYING, China

População potencialmente afetada:
140 mil

Tipos de poluição:
Chumbo e outros metais pesados

Fonte da poluição:
Principalmente mineração

O problema:

A cidade abriga a maior indústria de chumbo do país. Todo o equipamento usado pelos trabalhadores está obsoleto e não há controle sobre a poluição. O ar na região tem 10 vezes mais partículas de chumbo do que a média chinesa – que não é baixa… Casos de encefalopatia e envenenamento de crianças por chumbo são os mais comuns na cidade.


SUKINDA, Índia


População potencialmente afetada:
2,6 milhões

Tipos de poluição:
Cromo hexavalente e outros metais

Fonte da poluição:
Minas de cromo

O problema:

É no Vale de Sukinda que estão 97% dos depósitos de cromo da Índia – usado na fabricação de aço inoxidável e no revestimento de metais. A água usada no processo é atirada diretamente no rio que abastece a população. Cerca de 85% das mortes registradas anualmente na região têm como causa a intoxicação do ar e da água pelas 12 minas de cromo.



VAPI, Índia


População potencialmente afetada:
71 mil

Tipos de poluição:
Químicos e metais pesados

Fonte da poluição:
Indústrias

O problema:

A cidade faz parte do chamado “Golden Corridor”, região que abriga dezenas de indústrias químicas. A água contaminada vem produzindo casos em série de carcinoma, dermatite química e vários tipos de câncer de pele, garganta e pulmão. O índice de abortos espontâneos é o maior do mundo. Retardo mental em crianças já atingiu níveis alarmantes.



LA OROYA, Peru

População potencialmente afetada:
35 mil

Tipos de poluição:

Chumbo, cobre, zinco e dióxido sulfúrico

Fonte da poluição:
Mineradoras de metal pesado

O problema:

99% das crianças da cidade e de suas cercanias têm índice de chumbo no sangue três vezes maior que o máximo permitido pela OMS. O envenenamento pelos metais pesados pode ocasionar vários tipos de retardamento mental.



DZERZHINSK, Rússia

População potencialmente afetad
a:
300 mil

Tipos de poluição:
Químicos e produtos tóxicos, como gás sarin, além de chumbo e fenóis

Fonte da poluição:

A indústria de armas químicas, desenvolvida durante a Guerra Fria

O problema:

Mesmo depois do fim da União Soviética, a cidade se mantém como uma das principais produtoras de químicos da Rússia, entre eles uma toxina chamada TEL. O maior problema é que mais 300 mil toneladas de lixo radiativo foram enterrados no subsolo da cidade durante os últimos 70 anos. Em 2003, o índice de mortalidade era 260% maior que o de natalidade na região; e a expectativa de vida é de 42 anos para os homens e 47 para as mulheres.



NORILSK, Rússia

População potencialmente afetada:
134 mil

Tipos de poluição:
Dióxido sulfúrico, níquel, cobre, cobalto, chumbo, selênio, fenóis e sulfato de hidrogênio

Fonte da poluição:
Mineração

O problema:

A cidade foi fundada em 1935 como campo de trabalhos forçados e abriga, atualmente, o maior complexo de processamento de metais pesados do planeta. O resultado é uma população com altos índices de câncer de pulmão; e bebês prematuros e com doenças respiratórias crônicas (que elevam as taxas de mortalidade a níveis alarmantes).



CHERNOBYL, Ucrânia

População potencialmente afetada:
Em torno de 5,5 milhões

Tipos de poluição:
Poeira radioativa, incluindo urânio, plutônio, césio-137, estrôncio e outros metais

Fonte da poluição:

Acidente com a usina nuclear, em 1986

O problema:

Maior vazamento de uma usina em toda a história, a radiação propagada por Chernobyl foi 100 vezes mais forte do que a das bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki. Até hoje, o perímetro de 20 quilômetros da usina é considerado inabitável. Milhares de pessoas foram contaminadas e os efeitos da radiação persistem. Nas regiões mais próxima do acidente (incluindo Bielo-Rússia, Ucrânia e Rússia) são ainda constantes os casos de câncer na tireóide, malformação fetal e lesões de pele.



KABWE, Zâmbia

População potencialmente afetada:
255 mil

Tipos de poluição:
Chumbo e cádmio

Fonte da poluição:

Mineração

O problema:

Apesar de as minas terem sido fechadas há quase uma década, a região permanece inabitável por causa da contaminação do solo e do ar. A radiação atinge um perímetro de 20 quilômetros e responde por uma série de casos de morte entre crianças, que ostentam índices de partículas de chumbo no sangue mais de 10 vezes superior ao máximo permitido pela OMS.


Fonte:
http://www.blacksmithinstitute.org/projects/regions/china

quarta-feira, 29 de julho de 2009

O poder da oração


O padre de uma igreja decidiu observar as pessoas que entravam para orar. A porta se abriu e um homem de camisa esfarrapada adentrou pelo corredor central.O homem se ajoelhou, inclinou a cabeça, levantou-se e foi embora. Nos dias seguintes, sempre ao meio-dia, a mesma cena se repetia.

Cada vez que se ajoelhava por alguns instantes, deixava de lado uma marmita.

A curiosidade do padre crescia e também o receio de que fosse um assaltante, então decidiu aproximar-se e perguntar o que fazia ali. O velho homem disse que trabalhava numa fábrica, num outro bairro da cidade e que se chamava Jim.Disse que o almoço havia sido há meia hora atrás e que reservava o tempo restante para orar, que ficava apenas alguns momentos porque a fábrica era longe dali. E disse a oração que fazia:

'Vim aqui novamente, Senhor, só pra lhe dizer quão feliz eu tenho sido desde que nos tornamos amigos e que o Senhor me livrou dos meus pecados. Não sei bem como devo orar, mas eu penso em você todos os dias. Assim, Jesus, hoje estou aqui, só observando.'

O padre, um tanto aturdido, disse que ele seria sempre bem-vindo e que viesse à igreja sempre que desejasse.
'É hora de ir' - disse Jim sorrindo.

Agradeceu e dirigiu-se apressadamente para a porta.

O padre ajoelhou-se diante do altar, de um modo como nunca havia feito antes.
Teve então, um lindo encontro com Jesus.
Enquanto lágrimas escorriam por seu rosto, ele repetiu a oração do velho homem...

'Vim aqui novamente, Senhor, só pra lhe dizer quão feliz eu tenho sido desde que nos tornamos amigos e que o Senhor me livrou dos meus pecados. Não sei bem como devo orar mas penso em você todos os dias.
Assim, Jesus, hoje estou aqui, só observando.'

Certo dia, o padre notou que Jim não havia aparecido. Percebendo que sua ausência se estendeu pelos dias seguintes, começou a ficar preocupado. Foi à fábrica perguntar por ele e descobriu que estava enfermo.Durante a semana em que Jim esteve no hospital, a rotina da enfermaria mudou. Sua alegria era contagiante. A chefe das enfermeiras, contudo, não pôde entender porque um homem tão simpático como Jim não recebia flores, telefonemas, cartões de amigos, parentes... Nada!

Ao encontrá-lo, o padre colocou-se ao lado de sua cama. Foi quando Jim ouviu o comentário da enfermeira:

- Nenhum amigo veio pra mostrar que se importa com ele. Ele não deve ter ninguém com quem contar!!

Parecendo surpreso, o velho virou-se para o padre e disse com um largo sorriso:

- A enfermeira está enganada, ela não sabe, mas desde que estou aqui, sempre ao meio-dia ELE VEM! Um querido amigo meu, que se senta bem junto a mim, Ele segura minha mão, inclina-se em minha direção e diz:

'Eu vim só pra lhe dizer quão feliz eu sou desde que nos tornamos amigos. Gosto de ouvir sua oração e penso em você todos os dias. Agora sou eu quem o está observando... e cuidando de você! '

Jesus disse: 'Se vós tendes vergonha de mim, também me envergonharei de vós diante do meu Pai.'