Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Rock and Roll




Há algum tempo eu queria escrever sobre esse tema e hesitei. Por que sempre que falo sobre esse assunto tenho a impressão de estar pisando em ovos. Talvez antes de começar eu devesse discorrer um pouco sobre que aspectos criam um mito, qual é a força de um hábito cultural?

Pois bem, nossa sociedade é permeada de ritos e símbolos de enquadramento social; a primeira transa, a entrada para faculdade, o nascimento de um filho, todos os acontecimentos inesquecíveis na vida de qualquer um, todos os ritos carregados de fortes significados sociais.

Uma das primeiras experiências a qual o ser humano é submetido logo na infância acontece na escola. É lá que percebemos que não somos o centro do universo - como nossos pais nos faziam pensar - e aprendemos a importância de se relacionar com outros indivíduos, de fazer amigos e de ser aceito.

Com o passar do tempo o que era comum a todos passa a se aprimorar, se segmentar, e surgem os gostos. Vem a adolescência e com ela a turma dos bagunceiros, a turma dos cdfs, e é mais ou menos nessa época que você deve ter ouvido falar pela primeira vez no tema desse texto: o bom e velho rock ‘n roll.

Essa frase de tão repetida e pomposa ficou solene, virou uma instituição. Estou exagerando? Então reflita sobre sua adolescência e tente se lembrar de qual imagem te sugere uma camiseta preta surrada com um escrito incompreensível e uma imagem sombria? Quando se tem 13 ou 14 anos usar uma dessas camisetas significa status para muita gente.

Nessa época em que começa a se formar uma personalidade e todos procuram desesperadamente por uma forma de mostrar ao mundo que existem, não custa nada pedir uma ajuda para o Black Sabbath, o Iron Maiden ou aos Ramones, como tantos outros já fizeram. Os benefícios são muitos: de cara você já vai estar inserido num grupo, o dos roqueiros.

Vai mostrar para todos que não é mais criança e já está apto a beijar na boca, beber, fumar e fazer macaquices em geral para chamar atenção das meninas e atenuar os efeitos de uma voz de criança na sua agora expoente virilidade. Pode chamar de "bicha" quem gosta de outro som que não rock, e será apoiado. Enquanto cresce seu cabelo, enquanto não cresce sua barba, você estará protegido.

Me deixa triste perceber que muitos que se dizem roqueiros esqueceram da principal característica do movimento que é a ruptura do que está estabelecido. Para mim o rock se mescla com outros estilos, se veste de branco, acorda cedo e usa óculos para ler jornal. É velho, mas está a par das novidades e se esforça para buscar novos caminhos para expressar o mesmo sentimento que havia há 30 anos atrás. Apesar de não me identificar nem de me sentir influenciada pelos grandes nomes do rock sou capaz de respeitá-los, não respeito gente burra e preconceituosa.

Enquanto os roqueiros brasileiros discutem o que sua banda predileta pode ou não dizer e fazer não percebem o espaço ínfimo que o rock ocupa no cenário nacional.

Poderia haver mais rádios, mais shows, mais festivais se não houvesse tanto medo de se expor e consequentemente ser popular.

Ser roqueiro é muito mais do que se vestir de preto, usar bota, fazer tatuagens, deixar o cabelo crescer e falar palavrões, ser roqueiro é não ter medo de ousar e não repetir a cartilha que já caducou. Reflita se seu ídolo criou alguma coisa relevante ou se ele se conformou em repetir seus antecessores e ser só mais um no "partido da situação".

Caso você não encontre uma resposta, insista, é difícil mesmo.

Nenhum comentário: