Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Família, como manter o casamento? O amor se alimenta de detalhes cotidianos

Segundo especialista, o amor se alimenta de detalhes cotidianos

A chave das chaves

Convêm ler o que vou expor à luz deste princípio básico: o casamento deve ser cultivado! Como? Com paciência, atenção e cuidados de um bom jardineiro. Como as plantas: estarão vivas se crescem! Não é possível conservá-las por muito tempo em um congelador. Como tudo o que é vivo, o amor ou cresce ou morre ou, no melhor dos casos, fica a ponto de mumificar-se.

“Conservar” o amor, simplesmente conservá-lo, é uma tarefa vã... equivale a decretar a sua morte: ao vivo não se admite “conservação”; é preciso alimentá-lo para que atinja progressivamente todas as suas possibilidades.

Antes que se acabe

Balzac escreveu: “O casamento deve lutar sem trégua contra um monstro que a tudo devora: o costume”. O seu inimigo mais insidioso é a rotina: perder o desejo da criatividade original; pois assim o amor acaba por esfriar e perecer. Às vezes, trata-se de um processo lento, quase imperceptível no início, e cujas conseqüências só são percebidas quando a degradação é dada como irreparável, ainda que não o seja na realidade: como a planta que se deixou de regar e que durante certo tempo mantêm o seu viço, para logo em seguida, sem motivo imediato aparente, murchar de vez.

Soluções

Cada noite, devem responder com um sim sincero às seguintes perguntas: hoje dediquei diretamente um tempo, uns segundos ao menos, para ver como poderia fazer uma surpresa ou causar uma alegria concreta?

O carinho não se alimenta com a simples inércia ou com o correr dos anos: tem se ser alimentado com muitos pequenos gestos e atenções, com um sorriso e também com um pouco – ou com muito!- de inteligência: evitando o que se intui ou se sabe por experiência que desagrada o outro, ainda que seja em si mesmo uma bobagem e buscar, por outro lado, o que pode agradar.

Como lembra um autor norte-americano: “os casamentos felizes estão baseados em uma profunda amizade. Os cônjuges se conhecem intimamente, conhecem os gostos, a personalidade, as esperanças e sonhos do outro. Mostram grande consideração um pelo outro e expressam o seu amor não só com grandes gestos, mas com pequenos detalhes cotidianos”

Entretanto, nada se alcança sem esforço. De acordo com a perspicaz comparação de Masson, “o amor (sentimental) é uma harpa que sonha espontaneamente; o casamento, um piano que não soa senão a força de pedalar”... e o resultado deste pedalar é uma felicidade indescritível, que ninguém é capaz de imaginar... até que a prove.


Por Tomás Melendo Granados , professor de filosofia (metafísica) e diretor acadêmico dos Estudos Universitários sobre a Família da Universidade de Málaga.

2 comentários:

Débora Francis disse...

Para se manter uma família únida, creio eu que além do amor, do carinho, respeito, fidelidade... Temos que nos apoiar, dar atenção, nos preocupar com nossos familiares. Hoje em dia nosso tempo é muito curto, mas temos que ter consciência que nossa família é a base, precisamos dela, então temos que colocá-la em primeiro lugar em nossa vida.

ótimo texto amiga.
Beijo

Xênia da Matta disse...

Oi, linda, que bom recebê la aqui.
Bjux e sucesso1