Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Há 20 anos morria o 'Maluco Beleza' -

Fernanda Mariano
Sexta-feira - 21/08/2009 -Araçatuba


veja a música 'Eu não toco Raul' - Pedra Letícia




- Em todo bar que a gente vai tocar
Tem sempre lá no canto um cara com a barba por fazer
E a camiseta com a cara do Chê,
Um buraquinho nela onde
havia a estrelinha do PT
A namorada dele você vê,
Batinha indiana, coturno,
bermuda saint-tropez
Pede um papelzinho pra escrever
Tira uma caneta de dentro
da bolsa de crochê
Rabisca um guardanapo
com a Bic azul
Escreve um bilhetinho
assim: Toca Raul!



Não se trata de uma ação de revolta, muito menos de uma afronta; a música "Eu não toco Raul", da banda goiana Pedra Letícia, nada mais é que uma homenagem ao Maluco Beleza que deixou sua marca na história da música brasileira, no movimento de contracultura brazuca e na lista das personalidades de destaque da nação. Mesmo após 20 anos de sua ausência - celebrados hoje -, o artista ainda é lembrado, e relembrado, inclusive em momentos em que o som não tem nada a ver com o que Raul Seixas praticava.

A letra da canção destaca o fenômeno "toca Raul!", muito comum em barzinhos e em shows em que a plateia não está muito de acordo com o repertório ou quer que o(s) artista(s) que está(ão) no palco integre(m) ao repertório uma das obras de Seixas.

É certo, e até esperado. Se o evento estiver voltado ao rock... O "toca Raul!" será evocado. A música de Fabiano Cambota, vocalista do Pedra Letícia, é o resultado de quanto o grupo já ouviu a "expressão". No refrão, o conjunto faz coro: Eu não toco Raul/Vocês me desculpem.../Eu acredito quando você diz que ele é legal/Eu não toco Raul/Vocês não me culpem/A banda preza pelo estilo Sidney Magal. Tudo uma grande brincadeira para tratar sobre o assunto - e homenagear o "Metamorfose Ambulante".

"Quando escrevi a música, no início da banda, há quatro anos, eu pensava na situação que vivíamos várias vezes por noite", conta Cambota, que atua com Thiago Sestini e Fabiano Aquila, na Pedra Letícia. "No começo, os fãs do Raul estranhavam, achavam ruim. Mas eles compreenderam que é uma homenagem; todos na banda gostam do artista. Acredito que o 'toca Raul' se transformou em um bordão, usado em diversas ocasiões; até num pronunciamento do governador de Goiás eu ouvi: 'Toca Raul'". Nos shows, a banda toca Raul. (Assista ao vídeo da música no player abaixo)

VISIONÁRIO

O sindicalista e fã de Raul Seixas, Valdemar Damião Brito, 38 anos, de Araçatuba, não titubeia: "O que o Raul falava há 30 anos é a realidade de hoje. Por isso, as pessoas querem ouvir, se interessam por sua obra; ele sempre foi de vanguarda". Integrante do primeiro fã-clube oficial do artista, "Raul Rock Clube", Brito coleciona tudo que está relacionado ao cantor e compositor. Para o fã, a obra do artista não passa despercebida.

Essa sensação de "permanência" no consumo e na produção musical contemporânea é explicável: é constante a revisita das bandas atuais à fonte Raul. O seu legado ficou registrado em áudio, vídeo e "filosofia". "Como a mosca na sopa, não dá para ignorar Raul". Para o pesquisador e amante de música Ataliba Sanches, de Araçatuba, Raul soube usar e dosar dois importantes elementos para o sucesso: a criação de uma identidade própria, com ideologia capaz de atrair a atenção de públicos variados, e a execução de uma melodia "vendável".

Sanches lembra que, antes de obter a fama como intérprete, Raul trabalhou como produtor de discos. "Ele sabia o que vendia e o que não era adequado; conhecia os tipos de melodia que agradavam. Com isso, e usando seu discurso de contracultura, ele atingiu todas as classes sociais e pessoas de diferentes idades", comenta Ataliba.

Muito bem lembrado e homenageado

Não é raro ouvir Raul. Pelo contrário. Ele ainda é muito solicitado na programação das emissoras, além de ser usado em jingles, propagandas e campanhas diversas. Precisando de uma mensagem de impacto? Toca Raul!

O radialista Adriano Luís, da Cultura FM de Araçatuba, afirma que "vira e mexe" um ouvinte liga solicitando o cantor, fazendo os radialistas remexerem no baú do Raul. "Maluco Beleza" e "Metamorfose Ambulante" são as mais pedidas. "Mas há quem peça coisas como 'O Dia em que a Terra Parou'", diz.

Hoje, dia em que são lembrados os 20 anos de morte da figura, a equipe da rádio está com a coleção do artista na ponta da agulha.

Durante a programação, vamos executar várias obras do Raul, e os ouvintes também podem fazer pedidos no 'Liga na Cultura', das 9h às 10h". No sábado, das 18h às 20h, no programa "Rock Nacional", a rádio prepara duas horas de Raul Seixas, para os fãs matarem a vontade e recordarem os clássicos.

HOMENAGENS
O jornalista Mário Lucena, que foi amigo de Raul, lança hoje o livro "Raul Seixas -Metamorfose Ambulante", com revelações sobre os estudos filosóficos do Maluco Beleza. O profissional, que também é autor de "Raul Seixas - A verdade Absoluta" (2002), não é o único a prestar homenagem ao artista.

O próprio Lucena lembra que o cineasta Ivan Cardoso faz exposição com fotos inéditas, no Museu AfroBrasil, em São Paulo; o produtor Marco Mazzola lança o kit CD e DVD no qual o artista canta gospel. Já Edmundo Leite, do "O Estado de S. Paulo", escreve uma biografia completa, enquanto Walter Carvalho e Evaldo Mocarzel finalizam o documentário "O início, o fim e o meio".

A TV Globo exibe o especial "Por toda a minha vida"; a revista "Caros Amigos" promete edição especial e a "Rolling Stone", uma grande matéria.

Centenas de espaços culturais promovem atividades durante este mês, para lembrar o cometa baiano.

HISTÓRICO

Mesmo após vinte anos de sua morte, Raul Seixas é lembrado por fãs daquela época e admiradores dos dias atuais. Sucessos como 'Tente outra vez', 'Eu nasci há 10 mil anos atrás'. 'Ouro de Tolo', entre outros ainda cativam os apreciadores das canções do 'Maluco Beleza'.

Nascido em Salvador no dia 28 de junho de 1945, Raul Santos Seixas era filho de Raul Varella Seixas e Maria Eugênia Seixas e tinha um irmão mais novo, Plínio Seixas. Desde cedo teve acesso a livros e cultura em geral, as quais refletem em suas canções.

Raul era um adolescente tímido, porém a música entrou para sua vida quando ainda era jovem. Ele gostava de ouvir os sucessos de Luiz Gonzaga, porém não demorou em se encantar com o Rock'n Roll de Elvis Presley.

Após o rock entrar em sua veia, Raul e mais um grupo de amigos se mobilizaram e criaram as bandas 'Os Relâmpagos do Rock', 'The Panters', e por último conhecido 'Raulzito e os Panteras'. Contudo, ao tentarem o sucesso fora da Bahia não conseguiram êxito.

Na década de 1970 Raul se inscreveu no VII FIC (Festival Internacional da Canção), realizado pela Rede Globo. Na ocasião ele classificou duas músicas: Let me Sing e 'Eu Sou Eu, Nicuri é o Diabo'.

Em 1973 o sucesso foi inevitável. A música 'Ouro de Tolo'. A partir daí uma legião de seguidores passou a curtir as canções de Raulzito, uma figura polêmica mas ao mesmo tempo inteligente. No dia 21 de agosto de 1989 o 'Maluco Beleza' falecia aos 44 anos em São Paulo, vítima de parada cardíaca. Raul tinha diabetes e também problemas com o álcool.

DISCO PÓSTUMO

Um dia depois de sua morte o disco 'A Panela do Diabo' era lançado pela Warner Music Brasil. O álbum, feito em parceria com o músico Marcelo Nova, vendeu mais 150.000 cópias.

Além deste trabalho outros foram lançados após a sua morte, entre eles O Baú do Raul (1992), Metamorfose Ambulante (1993), Documento (1998), Anarkilópolis (2003) e Raul Seixas -- Série BIS Duplo (2005).

Retirado do site: http://www.folhadaregiao.com.br

Ouça a música 'Eu não toco Raul', da banda 'Pedra Letícia' e também 'Gospel', a canção inédita de Raulzito



2 comentários:

Ebrael Shaddai disse...

São raras as músicas dele que eu não diga q se identifique comigo. Era mais do q política, a fonte Raul tocava os corações humanos no q tinham de mais humano, condenável e exaltável. Era thelemita, então prezava a liberdade, acima de tudo. Parodiava a vida sem graça das pessoas "comuns", e isso me empolga até hj e influencia no q escrevo.

Xênia da Matta disse...

Valeu, Ebrael, eu também me identifico muito com ele.
Obrigada por comentar. Volte sempre.
Bjux e sucesso!