Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Para orientar os filhos não é necessário nenhum diploma




 Por Anna Maria Costa
Saber orientar não significa de maneira nenhuma mudar a personalidade do filho, mas ajudá-lo a crescer e, portanto, saber encaminhar os seus progressos e conquistas. Para fazê-lo, é preciso:
— ter um comportamento realista, com o fim de compreender as capacidades concretas do filho, sem pretender exagerá-las nem subestimá-las. No primeiro caso, seríamos levados a fixar objetivos excessivamente elevados para o filho; no segundo, não lhe daríamos oportunidade de desenvolver os seus talentos ao máximo;
— saber motivar, isto é, apoiar-se em tudo o que o filho tem de positivo ao propor-lhe objetivos concretos e adequados;
— saber superar a nossa própria emotividade e os aspectos negativos do nosso caráter. Se efetivamente estamos dispostos a superar a nossa emotividade, mesmo que isso nos custe um grande esforço, estaremos mais preparados para compreender os nossos filhos.
Para isso não se necessita de nenhum diploma específico; é preciso esforçar-se, isso sim, com sinceridade e constância, para manter uma boa dose de flexibilidade interior

2 comentários:

David Eme disse...

Bem, lendo parece muito simples. Porém, não é. Existe um disparate entre o discurso e a ação. A mãe foi criada como? A mãe da mãe foi criada como? a mãe da mãe da mãe foi criada como? E a pergunta vai ecoando ao longo do tempo. Eu já escrevi isso antes, muitas vezes: "vivemos num mundo de faz-de-conta". É por isso que as coisas são e estão do jeito que são e estão. Talvez a resposta para o que o filho fez: estuprar a própria mãe de 48 anos de idade, seja essa: "vivemos num mundo de faz-de-conta". É... Um professor de direito administrativo disse aos alunos do 8° termo: "vamos fazer um acordo? Eu finjo que ensino e vocês fingem que aprendem. E estamos conversados". Ora, isso também não é um absurdo??!! O pior é que a maioria dos alunos vibraram com a proposta. Eu e uma meia dúzia de gatos pingados que nos revoltamos com a proposta, quase fomos linchados. Refaço a pergunta: vivemos ou não num mundo de faz-de-conta???!!! É o mesmo que: "me engana que eu gosto". Parece brincadeira, mas é verdade ou parece verdade, mas é brincadeira???!!!" Abraços

David Eme disse...

Bem, lendo parece muito simples. Porém, não é. Existe um disparate entre o discurso e a ação. A mãe foi criada como? A mãe da mãe foi criada como? a mãe da mãe da mãe foi criada como? E a pergunta vai ecoando ao longo do tempo. Eu já escrevi isso antes, muitas vezes: "vivemos num mundo de faz-de-conta". É por isso que as coisas são e estão do jeito que são e estão. Talvez a resposta para o que o filho fez: estuprar a própria mãe de 48 anos de idade, seja essa: "vivemos num mundo de faz-de-conta". É... Um professor de direito administrativo disse aos alunos do 8° termo: "vamos fazer um acordo? Eu finjo que ensino e vocês fingem que aprendem. E estamos conversados". Ora, isso também não é um absurdo??!! O pior é que a maioria dos alunos vibraram com a proposta. Eu e uma meia dúzia de gatos pingados que nos revoltamos com a proposta, quase fomos linchados. Refaço a pergunta: vivemos ou não num mundo de faz-de-conta???!!! É o mesmo que: "me engana que eu gosto". Parece brincadeira, mas é verdade ou parece verdade, mas é brincadeira???!!!" Abraços