Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

domingo, 4 de outubro de 2009

Os desafios de pais que são homossexuais


Se para os homossexuais assumir sua sexualidade muitas vezes já requer um certo grau de sofrimento e dificuldade de aceitação, externa e interna, para os homossexuais que têm filhos essa situação pode ser ainda mais delicada. O diagnóstico é do psicólogo Klécius Borges, especialista em terapia afirmativa paragays e lésbicas, que conversou com o Armário X sobre os delicados conflitos que podem decorrer da verdade sobre a orientação do desejo dos pais.





DIFICULDADES

Amor e respeito

Normalmente, o principal medo enfrentado por pais e mães homossexuais é o de perder o amor e o respeito dos filhos. E de ser responsável pelo sofrimento que a informação irá infringir-lhes.



Mitos



Além desse medo, o homossexual precisa lidar com o preconceito de forma geral, e também, com alguns mitos a respeito da homossexualidade. Ainda são muito fortes as crenças de que homossexuais não podem ser bons pais e mães, que poderão influenciar a identidade sexual de seus filhos e que, no caso dos pais, são propensos à pedofilia. Há também as questões relativas à relação com os ex-cônjuges e, principalmente para as mães, os aspectos ligados aos direitos de guarda.




CONSELHOS



Educar para a diversidade



Para os pais o mais importante é que planejem da melhor maneira possível, quando e como contar. É importante que se sintam preparados intelectual e emocionalmente para as dificuldades que podem surgir. O ideal é que os filhos saibam o quanto antes. Crianças pequenas podem ser expostas à situações de um jeito natural e ter suas questões respondidas de forma sincera e aberta, de acordo com o grau de compreensão da sua idade. Um outro cuidado essencial é transmitir valores e fornecer modelos de aceitação da diversidade humana (racial, religiosa, ideológica, etc).


Preparar-se para as reações



Ao contar, é importante que os pais não o façam em tom de confissão e que estejam dispostos e preparados para responder às questões, e a lidar com as reações emocionais decorrentes. Não se deve esquecer, que o fato, do filho ou da filha, não aceitariam a novidade de imediato, não significa que não irão aceitá-la no futuro. Os pais e mães devem reafirmar que nada mudará na sua relação com os filhos, explicar porque estão contando (por amor e confiança), e se mostrar abertos à negociação sobre quem mais pode ou deve saber (isso para evitar situações de stress desnecessários) para os filhos ou de embaraço social). E, por fim, se for necessário, oferecer algum tipo de ajuda profissional para que os filhos possam aprender a lidar melhor com a situação.


Confiança nos filhos



Para os filhos, o mais importante é tentar compreender que o fato do pai ou da mãe serem homossexuaisnão muda em absolutamente nada o amor que eles sentem por seus filhos. Contar é, sobretudo, uma forma de demonstração de amor e de confiança neles. Devem também se sentir à vontade para perguntar o que quiser e a pedir ajuda profissional para que possam aprender a lidar melhor com os conflitos decorrentes da nova situação.



Respeito à individualidade


Há famílias que conseguem lidar melhor com a questão. Geralmente são famílias criadas com valores morais e éticos mais liberais, onde a individualidade é melhor respeitada. Costumam também cultivar o diálogo entre seus membros e estimular a expressão sincera de sentimentos. Essas famílias, embora sofram com a situação, tendem a lidar melhor com os conflitos e, a médio e longo prazo, resolvê-lo de forma satisfatória.


Retirado de: http://www.armariox.com.br

Um comentário:

Ebrael Shaddai disse...

É realmente algo delicado, pois desde muito pequenos os filhos já são influenciados pelos esterótipos pré-estabelecidos. Mesmo lidando todos os dias, visando permanentemente uma educação equilibrada, a criança continuará suscetível ainda às influências (e preconceitos) de outros meios sociais, como a escola.

É preciso muito preparo e paciência!!

Parabéns!!