Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Lição de vida na novela "Viver a vida"...


 Aline Moraes 




No capítulo da novela Viver a Vida desta ultima quinta-feira, a personagem Luciana, vivida por Alinne Moraes, sofre um grave acidente que a deixará tetraplégica. A trama dará início ao calvário da modelo, que verá sua vida mudar radicalmente - como é lógico imaginar. Tudo indica, porém, que o trauma abrirá também uma nova fase na vida da moça.
A história deve repetir, dessa forma, o caminho seguido por muitos tetraplégicos e paraplégicos - no total, eles são 24 milhões no país ou 14,5% da população, segundo o censo divulgado pelo IBGE em 2000. Ao choque que decorre da perda total ou parcial dos movimentos de pernas, braços e tronco, segue-se a recuperação e a criação de uma nova rotina. O cotidiano, sem dúvida, demanda adaptações em relação à vida anterior. Mas, aos poucos, essas pessoas voltam a trabalhar, namorar, ter filhos e, enfim, tocar a vida adiante. 



Quatro rodas - A adaptação mais evidente é representada pela cadeira de rodas. Com ela, paraplégicos e tetraplégicos podem ir e vir. "Eu sou praticamente um cidadão independente, faço quase tudo sozinho. Consigo me transferir da cadeira de rodas para o banco do carro, consigo dirigir, tomar banho, me vestir e me alimentar", diz o jornalista e escritor Marcelo Rubens Paiva - cujo drama da tetraplegia foi retratado no livro Feliz Ano Velho, best seller na década de 1980. Paiva é também um militante da causa dos deficientes físicos: foi dele a ideia de adaptar a frota de táxis de São Paulo para receber esse público.
As mudanças fazem parte da rotina de pessoas com deficiência. Mas não as impedem de viver. Ao contrário, como conta Sergio Lianza, professor-responsável pela disciplina de reabilitação da Santa Casa de São Paulo. No primeiro ano de lesão medular, diz Lianza, o paciente deve prestar especial atenção ao tratamento fisioterápico, para que não se torne totalmente dependente de outras pessoas. "Tomados os cuidados necessários, a pessoa segue em frente normalmente, com a mesma expectativa de vida de antes", afirma o médico.

Além da fisioterapia, é recomendável  manter uma agenda de exercícios. Isso impede que o portador de deficiência física engorde, cultive colesterol e afaste as chances de enfarte.
A vereadora paulistana Mara Gabrilli é exemplar nesse quesito. Sem movimentos nas pernas e mãos desde 1994, ela precisa de ajuda até para coçar o nariz. Mas faz exercícios todos os dias. "Eu trabalho todos os músculos, do pescoço ao pé, e faço eletroestimulação neles uma vez por semana", conta a vereadora, em forma aos 42 anos. "Preciso de ajuda para tudo, mas não deixo de fazer nada. Meu banho é quase uma fisioterapia. Peço para as moças que me ajudam que me lavem com minha mão. E, quando como, é também com minha mão, conduzida por elas. É mais prazeroso assim."
Por dentro e por fora - Pouca gente sabe, mas manter controle sobre o intestino e a bexiga é um dos maiores desafios de quem está em uma cadeira de rodas. "É preciso reeducar os órgãos para condicioná-los a trabalhar em horários determinados", revela Fernando Fernandes, ex-modelo e ex-participante do Big Brother Brasil.
Pouco tempo após seu acidente, o ex-BBB Fernando Fernandes já participava da Goiânia Fashion Week, semana de moda de Goiás (Divulgação)
Ele sofreu um acidente de automóvel em julho, em São Paulo. Desde então, não sente as pernas e não sabe se voltará a andar. Mas está animado com a independência conquistada na fase de reabilitação. Ele já pratica esportes e toma banho sozinho.
Sexo, sim - O ritmo pode mudar. Mas o sexo, como a vida, continua para esses deficientes físicos. Para a mulher, as mudanças incluem a descoberta de novas zonas de prazer. "Como as sensações que geram orgasmo não são apenas genitais, ela acaba encontrando outros caminhos", afirma Lianza. Pode haver também alteração no ciclo menstrual no período imediatamente posterior à lesão. Depois, volta tudo ao normal.
Para o homem, a principal novidade é a ereção reflexa. "Quando você quer ter uma relação, não tem controle, é uma bagunça. Mas, com o tempo, você vai conhecendo seu corpo e a sensibilidade vai voltando", diz o tetraplégico Fabiano Puhlmann, de 43 anos, psicólogo e autor do livro A Revolução Sexual sobre Rodas. Puhlmann é casado há 12 anos.
Há casos em que a ereção involuntária é preservada, mas não é tão boa. Aí, pode-se fazer uso de drogas como o Viagra. A ejaculação também pode ser dificultada, mas em geral acontece. E, mesmo que não ocorra, ou que aconteça de maneira retrógrada - quando o sêmen vai para a bexiga, de onde é eliminado com a urina –, não se perde a possibilidade de ser pai. Uma coleta de sêmen, a ser introduzido na parceira, resolve a questão.


Como foi

Imagem: Divulgação

Marcelo Yuka, 43, músico – lesão: paraplegia
"Eu ia a um show no Rio de Janeiro. Perto de casa, havia um carro atravessado na ponta de uma rua, tentando parar a tiros os carros que passavam. Freei e dei ré. Mas não sabia que havia outro carro, atrás do meu, assaltando uma menina. Os caras desse carro começaram a disparar. Recebi nove tiros e passei por 12 cirurgias."

Imagem: Arthur Calasans/Divulgação

Fabiano Puhlmann, 43, psicólogo e autor do livro A Revolução Sexual sobre Rodas- lesão: tetraplegia
"Quebrei o pescoço duas vezes. No primeiro acidente, tinha 17 anos. Corri para mergulhar na piscina e escorreguei antes de saltar. Bati a cabeça no fundo e perdi os movimentos. Via o sangue saindo da cabeça e tentava me mexer, mas não conseguia. O segundo ocorreu em 2006. Lesei a medula no mesmo lugar ao cair da bicicleta."

Imagem: Divulgação

Mara Gabrilli, 42, vereadora de São Paulo - lesão: tetraplegia
"Sofri um acidente de carro em 1994, aos 26 anos. Numa curva da serra de Taubaté, o meu então namorado perdeu o controle do carro, que rolou 15 metros barranco abaixo. Quebrei o pescoço - uma dor inesquecível. Eu não conseguia respirar direito e não mexia os braços. Fraturei a quarta e a quinta vértebras cervicais." 

Imagem: Divulgação

Fernando Fernandes, 28, modelo e ex-Big Brother Brasil - lesão: paraplegia
"Dormi no volante e, quando acordei, estava na cama errada. Tinha um monte de gente de branco em volta de mim. Eu pensei: 'Pronto, acordei no céu'. Colocaram oito pinos de titânio nas minhas costas. Fiquei bastante tempo grogue pelos remédios, e só depois percebi que não sentia as pernas. O apoio dos amigos, no hospital, foi fundamental."

Imagem: Amilcar Packer

Marcelo Rubens Paiva, 50, jornalista e escritor - lesão: tetraplegia
“14 de dezembro de 1979, 17 horas (...)
Pulei com a pose do Tio Patinhas, bati a cabeça no chão e foi aí que ouvi a melodia: biiiiiiin. Estava debaixo d’água, não mexia os braços nem as pernas, somente via a água barrenta e ouvia: biiiiiiin. Acabara toda a loucura, baixou o santo e me deu um estado total de lucidez: ‘Estou morrendo afogado.’”
 (abertura do livro Feliz Ano Velho, em que Paiva lembra o acidente que o deixou tetraplégico) 






A recuperação



Imagem: Divulgação

Marcelo Yuka, 43, músico – lesão: paraplegia
"Fiquei muitos anos em depressão, entre seis e sete. Quis desistir de viver várias vezes. A mudança no seu corpo é mais rápida do que na sua cabeça. Dia após dia, você vai descobrindo o que perdeu. Há uns dois anos, descobri a meditação e as coisas foram clareando. Fazer terapia também me ajudou." 

Imagem: Arthur Calasans/Divulgação

Fabiano Puhlmann, 43, psicólogo e autor do livro A Revolução Sexual sobre Rodas - lesão: tetraplegia
"Depois do trauma, vem a negação. A realidade é insuportável. Tão insuportável que você quer mudá-la. A esperança [de voltar a andar] é uma forma de negação. Guardei minha prancha por dois anos após o primeiro acidente, achando que voltaria a surfar. Para mim, o trauma não atingiu o corpo. Atingiu a alma."

Imagem: Divulgação

Mara Gabrilli, 42, vereadora de São Paulo - lesão: tetraplegia
"É claro que tive momentos de tristeza. Lembro de cenas fortes: eu, nos EUA, onde fiz minha reabilitação, olhando para o nada e pensando: 'E agora, como é que vai ser?'. Mas em nenhum momento pensei em morrer. Percebi que não dava para ficar contabilizando o que havia perdido. Me concentrei no que tinha de ganhar para melhorar."

Imagem: Divulgação

Fernando Fernandes, 28, modelo e ex-Big Brother Brasil - lesão: paraplegia
"No momento, estou sem movimento nas pernas. Os médicos não sabem quando e se ele volta. Então, a palavra 'reabilitação' tem sentido aberto. É óbvio que eu quero voltar a andar, mas tenho que ser realista e inteligente o bastante para saber que há a possibilidade de isso não acontecer. Graças a Deus, tenho lidado naturalmente com isso.." 

Imagem: Amilcar Packer

Marcelo Rubens Paiva, 50, jornalista e escritor - lesão: tetraplegia
“Todos sofriam comigo, me davam força, me ajudavam, mas era eu que estava ali deitado, e era eu que estava desejando minha própria morte. (...) Foi o que prometi a mim mesmo. ‘Se eu não voltar a andar, darei um jeito qualquer de me matar’. Era bom pensar assim. Eu não tinha medo de morrer. ” (trecho de Feliz Ano Velho, de Marcelo Rubens Paiva)









A volta por cima



Imagem: Divulgação

Marcelo Yuka, 43, músico – lesão: paraplegia
"Assim que melhorei da depressão, tentei resgatar um pouco do homem que eu era. Faço trabalhos sociais e estou gravando um disco, que deve sair depois do Carnaval. Nunca tive problema de relacionamento [pela minha condição física]." 

Imagem: Arthur Calasans/Divulgação

Fabiano Puhlmann, 43, psicólogo e autor do livro A Revolução Sexual sobre Rodas- lesão: tetraplegia
"É possível manter um relacionamento após a lesão. Sou casado há 12 anos. A primeira coisa que eu quis fazer depois do segundo acidente foi transar. Minha mulher achou que eu estivesse doente e disse que era louco. Falei: 'Não estou doente, não, vamos transar e é já!' (risos). Eu queria me sentir íntimo dela de novo. Sexo é intimidade."

Imagem: Divulgação

Mara Gabrilli, 42, vereadora de São Paulo - lesão: tetraplegia
"Quando vi a facilidade emocional e financeira que tinha diante do problema, percebi que era privilegiada. Resolvi fundar uma organização para melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência. Criei a ONG Projeto Próximo Passo (PPP), focada em esportes. Tenho também o Instituto Mara Gabrilli na luta pela causa dos deficientes." 

Imagem: Divulgação

Fernando Fernandes, 28, modelo e ex-Big Brother Brasil - lesão: paraplegia
"O plano A, é lógico, é voltar a andar e a trabalhar como modelo. Mas a gente tem de lidar com a realidade. Meu plano B seria voltar a praticar um esporte competitivo e disputar uma Paraolimpíada. O remo me interessa muito. O atletismo, também."

Imagem: Amilcar Packer

Marcelo Rubens Paiva, 50, jornalista e escritor - lesão: tetraplegia
"Acho que vivi uma depressão, e fiz terapia para superar. Mas tudo isso é distante para mim... Eu vivi 20 anos sem estar numa cadeira de rodas e 30 anos como cadeirante. Isso já é mais parte do meu físico do que andar. Eu nem me lembro de voltar a andar, nem sei o que é isso. Para mim, já faz parte da rotina pegar a minha cadeirinha e sair pela cidade." 



Extraído de Veja on line.

Nenhum comentário: