Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

terça-feira, 27 de abril de 2010

Dia Internacional das Pessoas Perturbadas






Hoje é o Dia das Pessoas Perturbadas 



 
Nao me importo se você lambe as janelas, ande num ônibus espacial ou então, ocasionalmente você se comporta como um louco...
 porque você é especial 
  A cada 60 segundos que você passa com raiva, contrariado , equivale a um minuto de felicidade que você perde. 
 
A mensagem de hoje é:
 a vida é curta,  
  quebre as regras,
perdoe rapidamente,  
 beije lentamente,  
  ame verdadeiramente,  
 ria sem controle 
 
  E nunca se arrependa de coisa alguma que te faz sorrir  
  A vida pode não ser uma festa que sempre esperávamos, mas enquanto estamos aqui devemos dançar...



 

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Menino de rua

Quando você passa e vê um menino de rua, pense um pouco: e se fosse seu filho? 
om certeza, você dirá que seu filho está bem protegido e cuidado, em sua casa. Que você não o deixa perambulando a esmo pelas ruas da vida. E tem razão.

Você é um pai consciente e amoroso. E esse garoto que passa, descuidado e sujo, não tem quem se interesse de verdade por ele.

Pense que talvez ele esteja nas ruas, porque embora toda a violência que elas apresentam, ainda são melhores do que ele conheceu um dia por lar ou família.

Você abraça e beija seu filho todas as manhãs. Talvez esse menino não tenha recebido outros cumprimentos que palavras rudes e gestos agressivos.

Também é possível que seus pais o tenham largado à própria sorte, por ser ele muito rebelde. Ainda assim, pense que, apesar de todas as mal-criações de seu filho, as travessuras, você não o coloca para fora de casa. Antes, insiste para que ele se adapte à disciplina e às normas que você estabelece como adequadas.

Esta é a grande diferença entre esse menino malcriado da rua e seu filho: o investimento da ternura, a disciplina do amor.

À noite, antes de se recolher, você adentra o quarto de seu filho e o vai beijar. Com carinho, ajeita-lhe as cobertas, cobrindo-o, a fim de que ele não se resfrie, nas noites invernosas.

Esse outro, filho das ruas, não tem sequer uma coberta. Muito menos quem o cubra. Seu colchão é a grama dos jardins ou as pedras das calçadas. O único cobertor que recebe é do sereno que o envolve, à medida que a madrugada avança, fria e quieta.

Quando seu filho apronta das suas, você o chama e enquanto o fixa nos olhos, passa-lhe as lições dos reais valores, dizendo com todas as letras o que você espera dele: que se transforme em um homem de bem, responsável e cônscio de seus deveres.

Esse outro, menino desleixado e solto, ganha braços fortes de estranhos que o detém, na sua insânia. E enquanto se debate, tentando se libertar, somente ouve palavras que reprisam exatamente o que ele não gostaria de ser: vagabundo, sem-vergonha, ladrão.

Pense: o seu filho tem todas as oportunidades de se tornar um cidadão honrado, que brinde a sociedade com suas boas obras. Esse outro, possivelmente, se transformará no celerado que a sociedade abominará, e para o qual somente indicará o encarceramento, a fim de se sentir, ela própria, mais segura.

Pense: se você não existisse, pai consciente e responsável, seu filho poderia estar nas ruas, em idênticas condições. Se você não investisse nele todo seu cuidado, ele poderia estar engrossando as fileiras desses que passam por você, todos os dias, enquanto você dirige para o trabalho ou anda pelas avenidas.

Poderia ser o "flanelinha" que no sinaleiro tenta limpar o pára-brisa de seu carro, em troca de algumas moedas. Poderia ser o menino sem educação, que solta palavrões quando você não lhe oferece nada, e ele espera tanto.

Poderia ser seu filho... Pense nisso e faça alguma coisa. Colabore com as instituições que se esmeram em criar lares de acolhimento para essas crianças sem lar.

Ofereça-se como voluntário para ensinar um esporte, uma atividade produtiva.

E, se você achar que não dispõe de recursos amoedados ou de tempo para colaborar, doe seu olhar de compreensão, a próxima vez que se deparar com um desses meninos, pivetes, "cheiradores" de cola, filhos de ninguém.

Deixe de olhar para ele como um inimigo. Ele é também filho de Deus e espera da vida o que todos esperam: alegria, amor, oportunidade.

Ah, se alguém o pudesse ajudar...

***

Todo ser que renasce na terra traz o compromisso do crescimento para a luz.

Alguns renascem como aves sem ninho, jogadas ao vento dos dias tormentosos. Certamente, tudo está no quadro das suas expiações e resgates.

Mas, se Deus, às aves do céu providencia alimento, que não espera que seus filhos façam aos seus irmãos, na carne?

Pense nisso, na próxima vez que o seu olhar deparar com um garoto de rua, triste e solitário, à espera de que alguém descubra nele o espírito imortal que é, e realize ali o seu investimento de amor.


Equipe de Redação do Momento Espírita.
 

Seis coisas que você não sabe sobre mim

Só hoje vi o MEME da minha amiga Syssim (http://masquerade-sissym-blog.blogspot.com), me convidando a compartilhar com vocês seis fatos inéditos, rrss, da minha vida. Olha, eu não quero ser dramática, mas, só me vieram a cabeça, todas as coisas pelas quais passei e que graças a Deus, e a um posicionamento muito positivo consegui superar sem magoas ou rancor da vida ou do destino. Eu me considero uma sobrevivente... Vamos retornar a minha infância então...


1- Minha mãe ficou viúva com 27 anos e 07 filhos. Seu primeiro marido suicidou se aos 33 anos. Era político, advogado, rico, e nada disso adiantou para afastá lo da depressão. Ele pediu a minha mãe antes de morrer que recorresse ao seu melhor amigo, o meu pai, que ele era uma pessoa muito boa e iria sempre auxiliá la se precissasse de alguma coisa. Bom, dessa amizade entre meus pais, nasceu um forte amor, e eles se casaram. Até parece que ia ter um final feliz, não é? Mas, não foi fácil assim. A sogra da minha mãe não aceitou o casamento, pois, seu filho único havia morrido há 2 anos apenas. E como já disse, eram ricos. então, comecei a minha vida sendo discriminada pela " Vovó Joana", que sempre presenteava minhas irmãs e irmãos com presentes caríssimos e nunca trazia nada para mim. Minha mãe renunciou a herança e passou tudo pro nome dos filhos. Ela, meu pai e todos os 08 filhos, agora comigo, viviamos do salário deles. Teve um fato marcante que nunca me esqueço que foi quando tirei essa foto abaixo. A avó Joana deu para cada uma das minhas irmãs doze pulseiras de prata indiana. Iguais a que estou usando na foto, e não deu pra mim. Eu era pequena e chorei muito. Meus pais não podiam comprar pra mim. Então, um casal de velhos, que eram nossos vizinhos, comprou pra mim e me adotaram como netinha. Foi muito bonito tê los como avós, agradeço a Deus pela vovó Belinha e vovô Belém, que fizeram de mim uma criança feliz, por que depois desse fato passei a ter avós que eram só meus também.


2- Minha primeira grande perda foi o meu avô paterno: Isaias Borges da Matta. Ele era o avô dos sonhos de toda criança, além de ser muito amoroso, atencioso, tinha uma loja de brinquedos. Eu ficava feliz só de estar com ele. E quando ele voltou para o plano espiritual, eu senti que havia perdido uma parte de mim.



3-  Bem depois disso, me casei,  tive a grande felicidade de ser mãe de 03 filhos. O Pedrinho, O Matheus e a Nathany. Foi e está sendo uma experiência única. Para mim, eles são um presente de Deus na minha vida. A foto abaixo faz um tempinho, mas,  ainda os vejo assim...



4- Em 1988, meu tio paterno  caçula,  José Luiz da Matta, perdeu a vida num acidente de carro, próximo a cidade de Ibiá. Eu era mais do que amiga dele, era como se fossemos irmãos. Ele me contava todos os segredos e eu também lhe confiava todos os meus. Até hoje sua ausência é muito intensa em mim, mesmo tendo se passado 22 anos. Só mesmo quem já perdeu o melhor amigo conseguirá dimensionar a dor que senti com sua volta ao plano espiritual.






5- Em 1995, sofri outra grande perda. Meu irmão Carlos Renato, faleceu aos 19 anos. Ele era meu irmão caçula e toda a nossa família ficou desestruturada na época. Meus pais sofreram tanto que só mesmo a mudança de crença religiosa, conseguiu trazer um pouco de refrigério para seus corações e para os nossos também.


Renato com 01 aninho

6-  Eu sei que é muita tragédia, moçada, mas, são esses os fatos que fazem de mim o que sou. Quando eu pensei que haveria uma trégua nas minhas perdas, meu irmão Ciro Inácio Cruvinel, evangélico, cantor, desapareceu misteriosamente. Era uma agonia sem fim, mas, havia esperança. Um dia, meu pai recebeu a visita de uma pessoa que relatou que ele havia sido assassinado e que estava enterrado num assentamento do MST, aqui mesmo em nosso município. Foram realizadas buscas, diligências policiais, e até o presente momento seu corpo não foi encontrado. Meus pais e toda minha família crê que ele realmente esteja morto pois, já se passaram 05 anos. Recentemente sua ex mulher, precisou que meus pais declarassem sua ausência para que ela pudesse se casar outra vez. E o juiz deferiu. Essa dúvida, é algo que consome, que queima. Sempre fica um fundo de "quem sabe"... Deus é Pai, e tudo sabe. O melhor é aceitar com respeito as vontades do Pai, pois não conhecemos todas as suas razões. Não é fácil ! A foto abaixo foi no revillon de 1998. Tem um tempinho, rrss...

Ciro, eu, meus irmãos Cícero e  Sheila.

7- Agora, chega de coisas tristes, quero dar um testemunho para todos que tiverem acesso a esse blog: DEUS VIVE E É FIEL. Muitos se lembram da enfermidade de minha mãe, no final do ano passado. Ela por todas as coisas aqui já relatadas, não merecia um final tão sofrido na UTI de um hospital. Eu, com toda humildade, todos os dias implorava a Jesus, que a trouxesse de volta a nossa casa, mesmo que fosse por um período pequeno. Eu rogava sua providência e tinha a certeza de que Ele  é o médico dos médicos e que se Ele dissesse "Levanta te Noninha e vá para casa", ela viria. E graças a bondade divina e a solidariedade dos amigos que se uniram a nós em oração, ela está se reestabelecendo a cada dia. Muitos Dihittianos foram companheiros presentes nesse momento de angústia que atravessamos, e hoje, aproveito a oportunidade para mais uma vez agradecer a todos e a Deus pelo dom da vida. Pela recuperação da minha mãe. Ela ainda está em tratamento, mas, é outra pessoa. Deus seja louvado sempre!

Eu e minha mãe, em sua casa, em março de 2010.


Olha que linda, saindo para  caminhar (com acompanhante, claro.).



Agora vou passar a bola para meus amigos: 


1- Principe Encantado


2- Adalberto Guimarães



3- Marivan 


 4- Sonia Regly


 5- Dri Viaro


6- Lena



Vamos lá, moçada! Beijos e muito sucesso!!!! ♥

Vista cansada



Acho que foi o Hemingway quem disse que olhava cada coisa à sua volta como se a visse pela última vez. Pela última ou pela primeira vez? Pela primeira vez foi outro escritor quem disse. Essa idéia de olhar pela última vez tem algo de deprimente. Olhar de despedida, de quem não crê que a vida continua, não admira que o Hemingway tenha acabado como acabou.
Se eu morrer, morre comigo um certo modo de ver, disse o poeta. Um poeta é só isto: um certo modo de ver. O diabo é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar. Vê não-vendo. Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver. Parece fácil, mas não é. O que nos cerca, o que nos é familiar, já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa rotina é como um vazio.
Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta. Se alguém lhe perguntar o que é que você vê no seu caminho, você não sabe. De tanto ver, você não vê. Sei de um profissional que passou 32 anos a fio pelo mesmo hall do prédio do seu escritório. Lá estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro. Dava-lhe bom-dia e às vezes lhe passava um recado ou uma correspondência. Um dia o porteiro cometeu a descortesia de falecer.
Como era ele? Sua cara? Sua voz? Como se vestia? Não fazia a mínima idéia. Em 32 anos, nunca o viu. Para ser notado, o porteiro teve que morrer. Se um dia no seu lugar estivesse uma girafa, cumprindo o rito, pode ser também que ninguém desse por sua ausência. O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. E vemos? Não, não vemos.
Uma criança vê o que o adulto não vê. Tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo. O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de fato, ninguém vê. Há pai que nunca viu o próprio filho. Marido que nunca viu a própria mulher, isso existe às pampas. Nossos olhos se gastam no dia-a-dia, opacos. É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença.

por: Otto Lara Resende

quarta-feira, 21 de abril de 2010

A eficiência dos deficientes

Um grupo de adolescentes da APAE estava varrendo e limpando uma área pública de Campinas na região dos Amarais. De repente, um deles começou a reclamar e a manifestar uma indignação muito forte. Eu deixei o banco onde estava sentado e me aproximei. Ele me explicou, com lágrimas nos olhos, as razões da sua revolta: copos, cigarros e papéis lançados ao lado de um grande cesto de lixo. Esse jovem, portador da síndrome de Down, achava aquilo um absurdo. Toda semana ele enfrentava a mesma situação.

Num primeiro momento imaginei que a sua condição genética explicava uma reação quase desmedida: chorar pelo lixo jogado fora do lixo. A sensibilidade especial, dessas pessoas especiais, podia e devia explicar aquela reação tão emotiva. Tentei argumentar, sem negar sua razão de indignar-se. Prometi ajudar a identificar o responsável por aquele descuido e convencê-lo a ser mais atento. Seus colegas de trabalho, iguais a ele em tudo, também intervieram. No fim o rapaz trocou o pranto por um sorriso e voltou a garimpar, como se fossem tesouros, papéis e detritos na grama e na calçada.

Ainda no local, observando e pensando no comportamento das pessoas com relação ao lixo e à cidade, comecei a pensar na falta de racionalidade e na deficiência comportamental de nossos cidadãos. Não é somente um problema social. Trata-se de uma prática a qual todas as classes sociais parecem dar-se com prazer: o desrespeito das vias públicas, o lançamento de lixo através da janelas dos carros, como se estivessem circulando em aterros sanitários e não nas proximidades da UNICAMP ou do centro da cidade. Conheço pessoas que já me disseram não fazer isso nos Estados Unidos, mas aqui é diferente... Mudam de país, mudam de comportamento!

Não há fiscalização, nem varrição que dê conta de tamanha deficiência educacional e comportamental. É caso de chorar, sobretudo quando as pessoas têm a sua disposição cestos e latas de lixo e insistem em ignorá-los, lançando seus detritos pelo chão. Essa carga cotidiana de detritos, além de sujar a cidade, ameaçar a saúde e favorecer a proliferação de vetores de doenças, acaba entupindo a rede de escoamento das águas de chuva, obstruindo bueiros, entulhando córregos e provocando inundações. A nossa deficiência individual gera ineficiência coletiva e amplia a debilidade de nossas infra-estruturas sanitárias. E tudo isso é parte de pessoas que valorizam a competição e o desempenho como critério supremo para avaliar tanto comportamentos e relacionamentos, como economia e política. 

Parece que perdemos nossa capacidade de reagir diante desse problema. Existem coisas piores e mais graves diriam alguns. É verdade, mas não é desculpa. É nosso dever educar e dar o exemplo. Nosso torpor leva à indiferença e ao agravamento da situação. É no mínimo paradoxal que, enquanto o cidadão normal esbanja vandalismo ambiental e inconsciência citadina, um jovem deficiente demonstra sua capacidade - felizmente ainda não perdida - de indignar-se diante de tamanho absurdo.

Sentadinho no meu banco, vendo a alegria e a dedicação daqueles rapazes da APAE limpando a rua e os jardins, num trabalho de Sisífo, eu comecei pensar que o choro do portador da síndrome de Down era mais do que justificado. Era de justa medida diante de tanto descaso e desrespeito dos chamados "eficientes" pela casa onde vivem.



segunda-feira, 19 de abril de 2010

Um enorme coração








Amar o próximo como a si mesmo é preceito evangélico exaustivamente repetido. Acontece que, quase sempre, não sabemos exatamente o que significa.

Como demonstrar amor ao próximo? Às vezes, marcamos data e vamos visitar um asilo. Preocupamo-nos em levar coisas para os idosos: doces, frutas, guloseimas. E vamos distribuindo, de mão em mão, meio às pressas.

De outras vezes, deixamos de ir porque dizemos não ter dinheiro para comprar algo para levar. Como chegar de mãos vazias?

Nem pensamos que, para aquelas criaturas solitárias, quase sempre esquecidas dos familiares, o mais importante é alguém se dar.

Isto significa segurar suas mãos, levar uma tesourinha e cortar suas unhas. Lixá-las. Colocar um esmalte. Tomar de um pente e escova e fazer um penteado diferente.

Qual a mulher, de qualquer idade, que não gosta de se sentir bonita?

Amar o próximo é servi-lo onde se encontra, na circunstância que se apresente. Ceder o lugar no ônibus é sinal de urbanidade.

Mas, convidar o idoso, deficiente ou a mãe com o bebê ao colo a se sentar, com um sorriso nos lábios e uma frase sugestiva, como: "sente-se aqui. Ficará mais confortável" -é amor ao próximo.

Estar atento ao que ocorre ao redor de si. O que nos recorda daquela sorveteria famosa, sempre lotada nos dias de calor.

Sorvete delicioso. Sabores variados. Clientela bem atendida.

Homens, mulheres, crianças, todos fazem fila e aguardam pacientemente a sua vez.

Tudo por um sorvete gostoso. Refrescante.

A menina sozinha, com o dinheiro na mão, também entrou na fila. Esperou, sem reclamar, mesmo quando uns garotos passaram à sua frente, sem cerimônia e sem polidez.

Quando chegou ao caixa, antes que pudesse falar qualquer coisa, o funcionário lhe ordenou que saísse e lesse o cartaz na porta.

Ela baixou a cabeça, engoliu em seco e saiu. E leu o cartaz, bem grande, na porta de entrada: proibido entrar descalço!

Olhou para os seus pés descalços e sentiu as lágrimas chegarem aos olhos. O gosto do sorvete não comprado se diluindo na boca.

Ia se retirando, cabisbaixa, quando uma mão forte a tocou no ombro. Era um homem alto, grande. Para a menininha, ele parecia um gigante.

Foi com ela até o meio-fio, sentou-se e tirou os seus sapatos número 44 e os colocou em frente a ela.

Depois, a suspendeu e enfiou os pés dela nos seus sapatos.

"Eu fico aqui, esperando." - disse ele. "vá buscar o seu sorvete! Não tenho pressa."

Ela foi deslizando os pés, arrastando os sapatos, até o caixa. Comprou sua ficha e saiu, vitoriosa, com seu sorvete na mão.

Quando foi devolver os sapatos para aquele homem, de pés grandes, barriga grande, ela se deu conta de que se ele tinha pés enormes, muito maior ainda era o seu coração.

***

Amar ao próximo é fazer a alegria de alguém, por mais insignificante que ela possa parecer.

É ter olhos de ver a necessidade embutida nos olhos tristes.

É ter ouvidos de ouvir os soluços afogados na garganta e os pedidos jamais expressos.

Amar ao próximo é simplesmente ter a capacidade de olhar um pouco além de si mesmo.



Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no cap. Pés grandes, coração maior ainda, de autor desconhecido, do livro Histórias para aquecer o coração dos pais, de Jack Canfield, Mark Victor Hansen, Jeff Aubery, Mark & Chrissy Donnely, ed. Sextante.

domingo, 11 de abril de 2010

Sermão da Montanha para os Professores!



Sermão da Montanha
(versão para professores)









Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado sobre ma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem. Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens. Tomando a palavra, disse-lhes:


- “Em verdade, em verdade vos digo: Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes os misericordiosos, porque eles...”

Pedro o interrompeu:

- Mestre, vamos ter que saber isso de cor?

André disse:
- É pra copiar no caderno?

Filipe lamentou-se:
- Esqueci meu papiro!

Bartolomeu quis saber:
- Vai cair na prova?

João levantou a mão:
- Posso ir ao banheiro?

Judas Iscariotes resmungou:
- O que é que a gente vai ganhar com isso?

Judas Tadeu defendeu-se:
- Foi o outro Judas que perguntou!

Tomé questionou:
- Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?

Tiago Maior indagou:
- Vai valer nota?

Tiago Menor reclamou:
- Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.

Simão Zelote gritou, nervoso:
- Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?

Mateus queixou-se:
- Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:

 
- Isso que o senhor está fazendo é uma aula? Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica? Quais são os objetivos gerais e específicos? Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?

Caifás emendou:

 
- Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades
integradoras com outras disciplinas? E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais? Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?


Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:

 
- Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e
reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos
para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade. Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto.
- E vê lá se não vai reprovar alguém! Lembre-se que você ainda não é
professor titular...


Jesus deu um suspiro profundo, pensou em ir à sinagoga e pedir aposentadoria proporcional aos trinta e três anos. Mas, tendo em vista o fator previdenciário e a regra dos 95, desistiu.

Pensou em pegar um empréstimo consignado com Zaqueu, voltar pra Nazaré e montar uma padaria...

Mas olhou de novo a multidão. Eram como ovelhas sem pastor... Seu coração de educador se enterneceu e Ele continuou:

-“Felizes vocês, se forem desrespeitados e perseguidos, se disserem mentiras contra vocês por causa da Educação. Fiquem alegres e contentes, porque será grande a recompensa no céu. Do mesmo modo perseguiram outros educadores que vieram antes de vocês”.

Tomé, sempre resmungão, reclamou:
- Mas só no céu, Senhor?

- Tem razão, Tomé - disse Jesus - há quem queira transformar minhas palavras em conformismo e alienação.. Eu lhes digo, NÃO! Não se acomodem. Não fiquem esperando, de braços cruzados, uma recompensa do além. É preciso construir o paraíso aqui e agora, para merecer o que vem depois...

E Jesus concluiu:
- Vocês, meus queridos educadores, são o sal da terra e a luz do mundo...


SÓ JESUS SALVA!!! Pelo jeito, os professores, também! rs..





Texto de abertura do Programa Rádio Vivo — Rádio Itatiaia, Belo Horizonte — do professor Eduardo Machado.




Não se iluda, ele simplesmente não está afim de você, se...



Se um homem quer você, nada pode mantê-lo longe...
Se ele não te quer, nada pode fazê-lo ficar.
Pare de dar desculpas (de arranjar justificativas) para um homem e seu comportamento.
Permita que sua intuição (ou espírito) te proteja das mágoas.
Pare de tentar se modificar para uma relação que não tem que acontecer.
Mais devagar é melhor. Nunca dedique sua vida a um homem antes que você encontre um que realmente te faz feliz.
Se uma relação terminar porque o homem não te tratou como você merecia,”foda-se, mande pro inferno, esquece!”, vocês não podem “ser amigos”. Um amigo não destrataria outro amigo.
Não conserte.
Se você sente que ele está te enrolando, provavelmente é porque ele está mesmo. Não continue (a relação) porque você acha que “ele vai melhorar”.
Você vai se chatear daqui um ano por continuar a relação quando as coisas ainda não estiverem melhores.
A única pessoa que você pode controlar em uma relação é você mesma.
Evite homens que têm um monte de filhos, e de um monte de mulheres diferentes. Ele não casou com elas quando elas ficaram grávidas, então, porque ele te trataria diferente?
Sempre tenha seu próprio círculo de amizade, separadamente do dele.
Coloque limites no modo como um homem te trata. Se algo te irritar,faça um escândalo.
Nunca deixe um homem saber de tudo. Mais tarde ele usará isso contra você.
Você não pode mudar o comportamento de um homem. A mudança vem de dentro.
Nunca o deixe sentir que ele é mais importante que você… mesmo se ele tiver um maior grau de escolaridade ou um emprego melhor.
Não o torne um semi-deus.
Ele é um homem, nada além ou aquém disso.
Nunca deixe um homem definir quem você é.
Nunca pegue o homem de alguém emprestado.
Se ele traiu alguém com você, ele te trairá.
Um homem vai te tratar do jeito que você permita que ele te trate. Todos os homens NÃO são cachorros.
Você não deve ser a única a fazer tudo…compromisso é uma via de mão dupla.
Você precisa de tempo para se cuidar entre as relações. Não há nada precioso quanto viajar. Veja as suas questões antes de um novo relacionamento.
Você nunca deve olhar para alguém sentindo que a pessoa irá te completar.
Uma relação consiste de dois indivíduos completos,procure alguém que irá te complementar… não suplementar.
Namorar é bacana. mesmo se ele não for o esperado Sr. Correto.
Faça-o sentir falta de você algumas vezes… quando um homem sempre sabe que você está lá, e que você está sempre disponível para ele, ele se acha…
Nunca se mude para a casa da mãe dele. Nunca seja cúmplice (ou co-assine qualquer documento) de um homem.
Não se comprometa completamente com um homem que não te dá tudo o que você precisa. Mantenha-o em seu radar, mas conheça outros…
Compartilhe isso com outras mulheres e homens (de modo que eles saibam). Você fará alguém sorrir, outros repensarem sobre as escolhas, e outras mulheres se prepararem.
O medo de ficar sozinha faz que várias mulheres permaneçam em relações que são abusivas e lesivas.
Você deve saber que você é a melhor coisa que pode acontecer para alguém e se um homem te destrata, é ele que vai perder uma coisa boa.
Se ele ficou atraído por você à primeira vista, saiba que ele não foi o único.
Todos eles estão te olhando, então você tem várias opções.
Faça a escolha certa.

by Oprah Winfrey‏

terça-feira, 6 de abril de 2010

A violência invade as escolas

Para se falar de violência é preciso antes de tudo compreender que a violência existe em várias e diferentes formas. Mas, existe uma em especial que está me assustado: a violência contra os PROFESSORES E DIRETORES

Fico extremamente preocupada com uma sociedade que não valoriza os profissionais de educação. Muito já se ouviu falar que existem educadores que na verdade são carrascos de seus alunos, o que igualmente reprovo. Agora o que mas vemos e ouvimos é o inverso. A total e irrestrita falta de respeito  para com esses profissionais pelos alunos e por suas famílias. O que estará acontecendo, meu Deus?

A gravidade da situação nos remete a um questionamento sobre qual é a educação que vem sendo praticada em nossa sociedade  e ainda por que o  mundo da criminalidade e do lado perverso da sociedade tem mais atrações do que a escola e o seio  familiar?

O que está havendo com nossa sociedade? Por que nossas escolas não estão desenvolvendo formas de manter os jovens no seu ambiente? Por que nossas crianças e jovens não respeitam os valores humanos, não respeitam os próprios pais e educadores? Por que o ensino não suscita a vontade de crescer , de melhorar de vida , de ser gente? 

Questões como estas precisam ser debatidas, aprofundadas e cada vez mais discutidas no processo de entendimento da escola e de seu papel perante a sociedade. É preciso criar urgentemente mecanismos de geração de prazer no meio escolar e buscar apoio dos outros setores da sociedade no sentido dar valor ao  profissional que visa educar e formar o caráter de nossos filhos. 

Notamos claramente que a maioria dos que acabam indo para o mundo do crime ou para os efeitos da violência estão mesmo desprovidos de uma boa base familiar e de um bom processo educativo. O contexto da sociedade atual marcada pelo pragmatismo, pelo imediatismo e pela negação de valores acaba influenciando idéias errôneas em nossa sociedade que  levam os jovens ao vício tanto ilícito quanto lícito que são passos iniciais para o processo de geração de violência e criminalidade. É vital que haja um processo de melhoria do processo educativo como um todo onde o papel do educador seja valorizado  cada vez mais  pela sociedade que precisa urgentemente inverter a lógica do poder econômico em busca da verdadeira qualidade de vida.  

 

Eu acredito que chegamos em um momento crítico no qual teremos que tomar uma atitude de mudança. Pelo bem de toda sociedade.



Eu vejo a escola como uma extensão da família, tenho para com meus alunos uma relação de respeito mútuo e de amizade. Não consigo imaginar uma relação contraria ao amor, não presente no ato de educar ou de ser educado por alguém.





segunda-feira, 5 de abril de 2010

O melhor de Rubem Alves



"A celebração de mais um ano de vida é a celebração de um desfazer, um tempo que deixou de ser, não mais existe.Fósforo que foi riscado.Nunca mais acenderá.Daí a profunda sabedoria do ritual de soprar as velas em festa de aniversário.Se uma vela acesa é símbolo de vida, uma vez apagada ela se torna símbolo de morte."


"Toda alma é uma música que se toca."



"A alma é uma coleção de belos quadros adornecidos, os seus rostos envolvidos pela sombra. Sua beleza é triste e nostálgica porque, sendo moradores da alma, sonhos, eles não existem do lado de fora. Vez por outra, entretanto, defrontamo-nos com um rosto (ou será apenas uma voz, ou uma maneira de olhar, ou um jeito da mão...) que, sem razões, faz a bela cena acordar. E somos possuídos pela certeza de que este rosto que os olhos contemplam é o mesmo que, no quadro, está escondido pela sombra. O corpo estremece. Está apaixonado.
Acontece, entretanto, que não esxiste coisa alguma que seja do tamanho do nosso amor. A nossa fome de beleza é grande demais.(...)Cedo ou tarde descobrirá que o rosto não é aquele. E a bela cena retornará à sua condição de sonho impossível da alma. E só restará a ela alimentar-se da nostalgia que rosto algum poderá satisfazer..."



“É mais fácil amar o retrato. Eu já disse que o que se ama é a ‘cena’. ‘Cena’ é um quadro belo e comovente que existe na alma antes de qualquer experiência amorosa. A busca amorosa é a busca da pessoa que, se achada, irá completar a cena. Antes de te conhecer eu já te amava.... E então, inesperadamente, nos encontramos com rosto que já conhecíamos antes de o conhecer. E somos então possuídos pela certeza absoluta de haver encontrado o que procurávamos. A cena está completa. Estamos apaixonados”


"Deus é alegria. Uma criança é alegria. Deus e uma criança têm isso em comum: ambos sabem que o universo é uma caixa de brinquedos. Deus vê o mundo com os olhos de uma criança.Está sempre à procura de companheiros para brincar."


"Todas as palavras tomadas literalmente são falsas. A verdade mora no silêncio que existe em volta das palavras. Prestar atenção ao que não foi dito, ler as entrelinhas. A atenção flutua: toca as palavras sem ser por elas enfeitiçada. Cuidado com a sedução da clareza! Cuidado com o engano do óbvio!"


"Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses."

"Cartas de amor são escritas não para dar notícias, não para contar nada, mas para que mãos separadas se toquem ao tocarem a mesma folha de papel."


“Aprenda a gostar, mas gostar mesmo, das coisas que deve fazer e das pessoas que o cercam. Em pouco tempo descobrirá que a vida é muito boa e que você é uma pessoa querida por todos.”


"Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil da nossa arrogância e vaidade. No fundo, somos os mais bonitos..."


“... Sem tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em lugares onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte... Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: "as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos". Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa.”



" Toda separação é triste.
Ela guarda memória de tempos felizes ( ou de tempos que poderiam ter sido felizes....)
e nela mora a saudade."



'Não fiquem inquietos por aquilo que ainda não aconteceu e nem se sabe se acontecerá. Tratem de cuidar dos males do amanhã, amanhã."


"Mora em nós a madrasta( a ser perdoada).
Mora em nós a criança perdida ( cujo nome se ouve noite adentro).
Mora em nós este imenso maternal vazio,
que acalenta os nossos sonhos, em cujo teor adormecemos.


"A vida tem sua própria sabedoria. Quem tenta ajudar uma borboleta a sair do casulo a mata. quem tenta ajudar o broto a sair da semente o destrói. Ha certas coisas que tem que acontecer de dentro para fora."


"Se eu tivesse intimidade com o Criador eu lhe diria que há uma coisa a se fazer para aliviar o sofrimento das crianças: é só trocar os olhos dos pais, por, no lugar dos seus olhos, os olhos dos avós.[...] Os olhos dos pais são olhos administrativos: tentam administrar a infancia, achando  que assim o futuro vai ficar garantido. [...] Os olhos dos avós são olhos sábios, no sentido preciso da etimologia da palavra: sapio, em latim, quer dizer, "eu degusto". As crianças são objetos de degustação. De apreciação..."