Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Mãe espanca filho de 03 anos até a morte em Sacramento/MG



Confira a  triste notícia no Jornal de Uberaba:



Criança de apenas três anos foi espancada até a morte na cidade de Sacramento. A principal suspeita de praticar o homicídio é a própria mãe do garoto.

O crime aconteceu na noite de quinta-feira (22) na residência dos envolvidos, situada na rua Oliziel Gomide, no loteamento Karashima. De acordo com informações da Polícia Civil, Ana Paula Gomes Mendes, 24 anos, procurou o hospital da cidade com a criança já sem vida. À equipe médica, alegou que o filho havia caído de um portão, no momento em que brincava.

Ao tomar conhecimento do caso, o médico responsável pelo atendimento desconfiou da versão apresentada pela mãe e acionou o Instituto Médico Legal (IML), de onde o funcionário contatou o delegado Cezar Felipe Colombari. “Após averiguações e informações obtidas, constatei que não se tratava de um simples acidente, e sim um homicídio com requintes de crueldade”, afirmou o delegado, que logo após saiu à procura da mãe. Ao receber voz de prisão, ela tentou fugir, antes de ser capturada com o auxílio de policiais militares. “A mulher se recusou a prestar qualquer tipo de declaração, reservando-se no direito de permanecer calada e falar somente em juízo. Aindaassim, foi presa em flagrante pela prática do homicídio por meio cruel e pelo recurso que impossibilitou a defesa e o socorro da vítima”, completou.
Antes de procurar ajuda médica, porém, Ana Paula se dirigiu para outro ponto da cidade, exatamente no sentido contrário à direção em que fica o hospital, onde procurou auxílio de familiares. No entanto, quando esses parentes tiveram acesso à vítima, a mesma já estava morta.
No local onde foi praticado o crime, a perícia constatou manchas de sangue na terra. Além disso, as roupas que a criança utilizava na hora em que foi agredida até a morte estavam jogadas pela residência, o que chamou a atenção dos investigadores. “Quando alguém vai prestar socorro, trocar a roupa da vítima é a última preocupação!”, declarou Colombari.

Por outro lado, os peritos constataram que a criança não subiria no portão, de quase dois metros de altura, e, mesmo se isso tivesse ocorrido, a queda não causaria as lesões apresentadas. “Além de escoriações na cabeça e nas orelhas, foram constatadas mordidas por todo o corpo, inclusive no órgão genital da criança”, lembrou. Apesar de marcas variadas de lesões recentes, o corpo da vítima apresentava marcas mais antigas, após agressões sofridas nos últimos meses.
Histórico. Apesar de assustar, comover a até mesmo revoltar, o crime praticado pela jovem de apenas 24 anos contra o filho, de três anos, poderia ter sido evitado. Ana Paula já esteve presa em 2008, sob acusação de agredir a mesma criança, a qual, na época, tinha apenas um ano e oito meses de idade. “Ela foi presa e perdeu a guarda da criança. No entanto, a Justiça concedeu a liberdade provisória e até mesmo a guarda do filho”, lamenta o delegado, afirmando que não existem informações de que ela tenha problemas mentais ou envolvimento com bebidas e drogas. “Pelo contrário. Ela possui uma personalidade extremamente violenta e cruel”, completou.

Considerado um dos crimes mais graves do Código Penal, o ato que levou à morte o próprio filho pode custar a Ana Paula a pena de 12 a30 anos de cadeia. O fato de ela já ter passagens e pelas provas contundentes fazem o delegado acreditar que a acusada não consiga o direito de responder pelo crime em liberdade. “O que esperamos é que ela permaneça presa até uma condenação final”, disse.
Ouvido pelos investigadores, o pai demonstrou enorme tristeza. Além disso, afirmou que não sabia das constantes agressões sofridas pelo filho. “Percebemos que ele era alheio ao que ocorria dentro da própria casa. Quando dei ao pai a notícia, ele se recusou a acreditar”, concluiu o delegado.
Os outros dois filhos de Ana Paula foram levados à sede do Conselho Tutelar da cidade na noite de ontem. O filho mais velho foi ouvido por um psicólogo. Eles foram levados para o abrigo, segundo o conselho, para ser preservados, já que o fato tomou grandes proporções.



Cuca Super Legal: De Luto pela morte de Luis Felipe




7 comentários:

J S Pereira disse...

É um absurdo mesmo as coisas ainda acontecerem assim. E como tragédia anunciada, já que a mãe era reincidente.

O Estado não tem meios para coibir isso. Tirar as crianças dos pais e interná-los numa fundação para menores, nem sempre é a melhor saída. Teríamos que evoluir para o tratamento compulsório de todos os envolvido. Algo que nem de perto passa pela cabeça de governantes. Muito dinheiro, pouca visibilidade. Resumindo: não dá votos.

Ótimo artigo, Xênia.

Beijos

Cecília Avenca disse...

Nossa Xênia,que tristeza!Uma noticia muito lamentável,a algoz do filho ser a própria mãe.Meus sentimentos.
Bjos

Principe Encantado disse...

Xênia minha amiga são noticias como esta que me dão vergonha de ser humano, absurdo.
Abraços forte

Mr.Jones disse...

Que crueldade absurda. O que anda acontecendo com os humanos?
Nada mais a declarar...(Silencio)

Jucifer disse...

revoltante
mas tem um remedinhu bom pra uma mãe destas:D
deixa ela amarradinha em um mata
corta um dedim so um dedim dela ^^
depois claro pra deixa ela bem doce
cobrila de mel :D
depois é so torcer pra q nenhum animail faça mau a ela

oooooooo isso é algo q faz eu perde o raciocino
esqueço q sou humana diante de atos assim

bjim

Isa Medeiros disse...

E dizer que ainda tem muita gente que prefere que uma criança seja criada por um monstro como essa "mãe" ou num orfanato do que por pais homossexuais. Um absurdo.

Sissym disse...

Não consigo imaginar como uma mae é capaz de fazer isso com alguem que gerou, especialmente uma criancinha totalmente incapaz de se defender. Eu nem quero imaginar o sofrimento da criança ao ser espancada até enfim morrer.