Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

sábado, 11 de setembro de 2010

Os remédios contra depressão






Pílulas milagrosas existem e elas se chamam antidepressivos.

Claro que estou exagerando, mas quem já esteve em depressão e tomou o antidepressivo certo, na dose certa e no tempo certo, pode concordar comigo que elas funcionam.

Mas prestem atenção: eu escrevi o remédio certo, na dose certa e pelo tempo certo. São muitas variáveis que podem dar errado até se chegar ao tratamento ideal para cada pessoa.

Por isso, o processo de se achar tal medicação, tal dose e tempo requer trabalho principalmente do paciente.

O medico vai simplesmente receitar a droga e cabe ao paciente em primeiro lugar, tomá-la, e depois, avaliar os efeitos dela e contar para o psiquiatra quais foram esses efeitos e cobrar uma mudança de tratamento se os efeitos não atingiram o objetivo que é fazer você se sentir melhor.

Esses remédios geralmente necessitam de dias ou semanas até mostrarem seus efeitos plenos.

Tomou o antidepressivo pelo tempo determinado pelo psiquiatra e melhorou? Ótimo. Não melhorou? Reclame.

Simples assim: Olha não melhorei.

O tratamento é tipo tentativa e erro. São muitas opções de drogas para se usar até achar a que mais combina com você.

E você tem que ser paciente. Por isso os pacientes se chamam… pacientes.




Terapia





Pagar alguém para nos ouvir é uma das situações mais baixo astral que eu conheço. Acho que para muita gente significa que não tem um "filhoda..." que seja legal e paciente comigo a não ser que eu pague para eu poder me queixar da minha vida lazarenta.

Acredite, quem convive (ainda) com você vai agradecer.

O terapeuta não é só o ouvinte pago com ouvidos de "penico" para despejarmos tudo de ruim que temos dentro de nós. Incrivelmente, o terapeuta, o bom, claro, vai dar feedbacks para você. Vai ajudar a olhar a situação de outra perspectiva. De fora. Vai apontar coisas em você e no seu meio que você estava cristalizada demais para perceber.

“Olha, não é bem assim, é assado”.

“Poxa, como é que eu não tinha me tocado disso?”

“E se você agisse assim em vez de como tem agido? O resultado pode ser diferente.”

Eu sou super a favor da terapia. Porque é apenas através de terapia, análise ou qualquer nome que tenha que a gente se modifica e se fortalece para que não fique na mesma situação que nos levou à depressão.

Ficar deprimido é uma experiência traumática sem dúvida e ninguém quer passar isso de novo. Mas infelizmente, se você ficou deprimido uma vez, tem boas chances de ficar de novo. A não ser que você mude.

A mesma pessoa vai estar sempre vulnerável aos mesmos estímulos. Sendo uma nova pessoa, aqueles estímulos que o deprimiram antes não vão ter mais poder de mexer com você.

Isso é aprender com a situação para não repeti-la.

E uma boa terapia vai com certeza ajudar nisso.




Em casa






Das duas uma: ou você mora sozinho ou mora com mais gente.

Se você mora sozinho, sugiro dar uma olhada em volta de você agora.

Quando a gente está deprimido a última coisa que a gente quer é arrumar a casa.

Roupas vão se amontoando, pratos na pia, lixo no banheiro, poeira em todo canto. Sujeira.

A casa vai refletir seu estado de espírito. E se seu estado de espírito está confuso, desanimado, sem energia, a casa fica igual: praticamente inabitável, como você.

A pior coisa que eu poderia dizer para você agora é: levante-se daí e vá arrumar a casa!

Eu sei que não dá.

Se desse, sua casa estaria de outro jeito. Eu entendo bem.

Nessas horas eu sugiro pedir ajuda a alguém para arrumar a casa para você. Uma diarista, uma empregada, um amigo com boa vontade que deixe o ambiente mais claro, mais saudável e com melhor astral.

E o que você pode fazer?

Retomar os cuidados com sua casa significa retomar os cuidados para com você mesmo. E minha dica é buscar nosso conforto e bem estar sempre. Assim, o objetivo não é deixar a casa arrumada e sim deixar você mais confortável.

Se você passa o tempo todo na cama, arrume sua cama do jeito que você acha que ela fica mais gostosa para você.

Se quiser, troque os lençóis, afofe os travesseiros, coloque aquele edredom que está no armário e você não tinha ânimo de se levantar e pegar.

Conforme você vai deixando o local onde você fica mais gostoso, seus horizontes vão se abrindo e você pode começar a olhar em volta de você: para o resto do quarto, para o sofá da sala onde você vê televisão por horas, para a cozinha e assim por diante.

Muita gente se desanima pois não está com energia nem vontade de fazer aquela faxina que fazia antes, então acaba não fazendo nada. O importante é não se cobrar. Fazer apenas o que agüenta e tem vontade de fazer e a busca pelo conforto deve ser a prioridade, não a obrigação de ter que deixar uma casa como anúncio de desinfetante.




Em casa II




Lembre-se: conforto. Estamos buscando sensações gostosas. Cheiros bons, texturas boas, acolhimento, claridade e um senso de que tudo está bem, entrando nos eixos aos poucos.

A menor coisa que você fizer para seu conforto e bem estar vai dar um efeito importantíssimo na sua recuperação, na auto-estima, no gostar de si.

Lembre-se: não se exija demais. Vá aos poucos porque indo devagar não se volta para trás.

Se você mora com outras pessoas, o grosso da manutenção da casa pode ser passada para eles. Por isso é fundamental que todos entendam sua situação de estar sem energia e que você deve ir devagar. Sugiro focar em você e cuidar das coisas relacionadas diretamente a você, como escrevi acima, buscando seu conforto e bem estar.

O deprimido mal tem energia para si mesmo muito menos para cuidar de outros. E é a hora de cuidarem dele. Mas não exagere! Ninguém quer o nosso bem nem sabe exatamente do que precisamos e gostamos do que nós mesmos. Então, mexa-se para deixar o seu ambiente o melhor possível para sua recuperação.

Como a recuperação de um depressão é uma ampliação dos horizontes que se fecharam, começar a olhar em volta e atuar no meio ambiente, retomando sua casa aos poucos é um dos indicativos de melhora.








Um comentário:

joana disse...

Xénia

Sua postagem é muito importante!
A depressaõ deve ser acompanhada por um medico.
bjs
joana