Mensagem do dia

Estude! Saber é o maior diferencial que existe!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Mexeram no meu queijo mineiro




“Mais mudando de conversa do concreto pro guatambu. Você já sentiu de perto a peleja do cafuçu? Eh... é aquele que vive lá no mato, que lhe sustenta e permite que você escolha o seu menu.” Eis a bela exaltação do artista Miguel Carlos ao sofrido homem do campo, na música de sua autoria: “Eu não tenho nada com isso; estou só falando...”

Assistimos dia desses em Uberaba a um verdadeiro soco na boca do “istamo” do pequeno produtor rural, coisa que já havia acontecido em Sacramento, MG, e que se estende por Minas inteira. Com a truculência cassaram-lhe a voz e o direito de fazer com as próprias mãos o nosso secular queijo mineiro, a pretexto de que o produto oferece riscos ao consumidor, se não estiver embalado e refrigerado. De meu saudoso e viajado pai sempre ouvi: “Minha filha, na estrada, coma queijo porque ele nunca faz mal a ninguém. As outras comidas estragam fáceis e ele não.” Recuso-me a admitir que o produto, marca registrada do povo mineiro em qualquer parte do mundo, depois de não ter feito mal, agora é o portador da maldade. Dificílimo de entender.

Alto lá, senhores fiscais da lei! Os senhores sabem o que é ter algumas reses, madrugar todos os dias, ordenhá-las, processar o leite com coalho e, com o calor das mãos, fazer um queijo? Pensam saber, mas não sabem. Agora será conhecido o outro lado da questão: homens e mulheres de bem são impedidos de trabalhar em suas pequenas propriedades rurais, não nos permitindo fazer o nosso gostoso menu. O gosto vai mudar para pior e a cultura terá um sabor amargo.

Estão confundindo artesanato com coisa clonada. O queijo mineiro da roça, que já fez tantos doutores na cidade, corre o risco de não mais fazê-los... No fundo, os grandes acabarão comprando os pequenos e o melhor queijo do Brasil poderá desaparecer. Absurdo!

Obrigar-nos a comer um produto de gosto insosso é o mesmo que nos tirar a liberdade de ir e vir. Em time que está ganhando não se mexe, e mexeram no meu queijo. É demais!

Milhões de fãs do queijo mineiro, o que devem estar pensando?

Nenhum comentário: